Domingo, 24 de Setembro de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

PARTE I

• Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas (domésticas, comerciais, industriais e de serviços de saúde) ou aqueles gerados pela natureza, como folhas, galhos, terra e areia, que são retirados das ruas e logradouros pela operação de varrição e enviados para os locais de destinação ou tratamento. De acordo com a norma NBR 10.004 da ABTN (Associação Brasileira de Normas Técnicas), estes resíduos são classificados em:

Classe I - Perigosos: são os que apresentam riscos ao meio ambiente e exigem tratamento e disposição especiais, ou que apresentam riscos à saúde pública.

Classe II A - Não-Inertes: são basicamente os resíduos com as características do lixo doméstico.

Classe III B - Inertes: são os resíduos que não se degradam ou não se decompõem quando dispostos no solo. São resíduos como restos de construção, entulhos de demolição, pedras e areia retirada de escavações.

Outra classificação dos resíduos pode ser definida pela sua origem. A descrição destes tipos é apresentada a seguir:

Domiciliar: Aquele originado da vida diária das residências, constituído por setores de alimentos (tais como, cascas de frutas, verduras etc.), produtos deteriorados, jornais e revistas, garrafas, embalagens em geral, papel higiênico, fraldas descartáveis e uma grande diversidade de outros itens.

Comercial: Aquele originado dos diversos estabelecimentos comerciais e de serviços, tais como, supermercados, estabelecimentos bancários, lojas, bares, restaurantes etc. O lixo destes estabelecimentos e serviços tem um forte componente de papel, plásticos e embalagens diversas.

Público: São aqueles originados dos serviços de limpeza pública urbana, incluindo todos os resíduos de varrição das vias públicas, limpeza de praias, galerias, córregos e terrenos, restos de podas de árvores, etc., e de limpeza de áreas de feiras livres, constituídos por restos vegetais diversos, embalagens, etc.

Serviços de saúde e hospitalar: Constituem os resíduos sépticos, ou seja, que contêm ou potencialmente podem conter germes patogênicos. São produzidos em serviços de saúde, tais como: hospitais, clínicas, laboratórios, farmácias, clínicas veterinárias, postos de saúde, etc. São agulhas, seringas, gazes, bandagens, algodões, órgãos e tecidos removidos, meios de culturas e animais usados em testes, sangue coagulado, luvas descartáveis, remédios com prazos de validade vencidos, instrumentos de resina sintética, filmes fotográficos de raios X, etc.

Portos, aeroportos, terminais rodoviários e ferroviários: Constituem os resíduos sépticos, ou seja, aqueles que contêm ou potencialmente podem conter germes patogênicos, trazidos aos portos, terminais rodoviários e aeroportos.

COMENTÁRIOS ()