Domingo, 23 de Julho de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


Iceberg gigantesco se desprende na Antártica

Um iceberg de um trilhão de toneladas, um dos maiores já registrados, se desprendeu de uma plataforma de gelo gigantesca na Antártica. Em um comunicado, os especialistas em estudos antárticos da Universidade de Swansea, no Reino Unido, indicaram que o desprendimento ocorreu entre 10 e 12 de julho, quando o iceberg - de 5.800 quilômetros quadrados - se separou da plataforma Larsen C do continente branco. “Ele pode permanecer inteiro, mas é mais provável que se quebre em fragmentos. Parte do gelo pode permanecer na área por décadas, enquanto outras partes podem seguir para o norte, para águas mais quentes”, disse Adrian Luckman, professor da Universidade de Swansea e principal pesquisador do projeto MIDAS, que vem monitorando a plataforma de gelo há vários anos. Os blocos de gelo que partirem rumo ao oceano podem derreter, o que contribuiria para elevar o nível do mar. Segundo os pesquisadores, é possível que o aquecimento global tenha contribuído para a aceleração da ruptura, porém não há evidências científicas concretas que possam provar essa teoria. A fenda vem se formando há vários anos, mas o processo se acelerou recentemente.

Gatos são mais sociáveis do que se imaginava, revela estudo

Os gatos levam a fama de serem antissociais, ao menos quando comparados aos cachorros. Mas um estudo demonstrou que esses felinos valorizam mais a companhia humana do que se imaginava. Os resultados, publicados na mais recente edição da revista “Behavioural Processes”, revelaram que os gatos valorizam mais o contato humano do que outros estímulos como comida, brinquedos e cheiros. Os pesquisadores avaliaram, individualmente, gatos de dois grupos: 25 gatos que vivem em casas como animal de estimação e 25 gatos que vivem em abrigos. Cada bichano foi apresentado a três estímulos diferentes, de um total de quatro opções: interação social com humanos, comida, brinquedo e cheiro. Eles registraram, então, o tempo gasto com cada um dos estímulos. O resultado foi que as escolhas variaram muito de gato para gato, mas a maioria elegeu como estímulo preferido o contato com humanos, seguido pela comida. (Fonte: G1)

‘Vilão’ contra futura habitação humana em outros planetas: os fungos

Os cientistas da Agência Espacial Americana (Nasa) estão estudando uma forma de impedir que alguns tipos de fungos se proliferem em futuras habitações humanas criadas em outros planetas, como comunidades na Lua ou em Marte. A Nasa prevê uma comunidade humana em Marte a partir da década de 2030. A pesquisa mostrou que a diversidade dos fungos em geral muda quando os humanos estão presentes. Os pesquisadores descobriram que determinados tipos de fungos - incluindo alguns que causam alergias, asma e infecções na pele - aumentam enquanto os seres humanos estão em ambientes simulados para o espaço. Estadias prolongadas em ambientes fechados podem ser estressantes para os astronautas e, por isso, levam a uma diminuição da resposta imunológica dos seres humanos, aumentando a vulnerabilidade aos fungos. “Os fungos podem sobreviver a condições difíceis, como desertos, cavernas ou regiões de acidentes nucleares e são conhecidos por serem difíceis de erradicar em outros ambientes”, explicou Venkateswaran. (Fonte: G1)

COMENTÁRIOS ()