Sexta-Feira, 18 de Agosto de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


UM EXTERMINADOR A SERVIÇO DA NATUREZA

O ator e ex-governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, prometeu nesta terça-feira (25) em Argel, capital da Argélia, ser um “exterminador” a serviço do meio ambiente, principalmente por meio de sua ONG que acaba de se instalar no país africano. “Nós podemos fazer melhor”, declarou durante uma coletiva de imprensa, referindo-se a poluição que mata 100 mil pessoas por ano nos Estados Unidos e milhões de pessoas em todo o mundo. “Acredito que vocês me viram em ‘O Exterminador do Futuro’, mas isso foi cinema; é igualmente importante na vida real que eu interprete o exterminador e acabe com os problemas ambientais”, disse o ator. “Nós não devemos jogar nosso lixo no chão. Desta forma a gente não vai mais poder beber água da torneira”, acrescentou. “A água tornou-se mais cara do que o petróleo”, ressaltou. Rejeitando qualquer divisão política na luta ambiental, ressaltou que “não há água liberal ou conservadora, e que bebemos a mesma água”, referindo-se às duas grandes tendências políticas dos Estados Unidos. Depois de ser recebido pelo primeiro-ministro Abdelmalek Sellal, o ator viajou a Oran, a maior cidade do oeste da Argélia, para selar a adesão da cidade à ONG de proteção ambiental R20. Militante republicano convicto, foi eleito em 2003 para um mandato de um ano para concluir o do governador Gray Davis, que foi destituído. Em seguida, foi reeleito duas vezes prometendo “fazer do mundo um lugar melhor do que o que herdamos”. (Fonte: G1)

CONSUMO DE CARNE DE CÃES GERA POLÊMICA NA CHINA

A China é um país repleto de tradições consideradas um tanto estranhas para o mundo ocidental. Entre elas está a realização de um festival dedicado ao consumo de carne de cachorro, que aconteceu no sul e no nordeste do país no último domingo (23) e que foi alvo de inúmeros protestos dos amantes dos animais. Imagens divulgadas pela agência de notícias Associated Press mostram os cães em gaiolas, prontos para serem vendidos e, em seguida, abatidos para que a carne se torne iguaria gastronômica. De acordo com a organização não-governamental Humane Society International, anualmente ao menos 10 milhões de cães são caçados e mortos para consumo humano. Na semana passada, voluntários vestidos com roupas representando animais promoveram evento em favor dos cães. Eles alegam que a festa promove a crueldade animal, além de causar preocupações referentes à segurança alimentar. A carne de cachorro não é amplamente consumida na China, mas pode ser encontrada em restaurantes de todo o país, onde às vezes é considerada uma especialidade. (Fonte: G1)

JAPÃO DEFENDE LEGALIDADE DE CAÇAR BALEIAS COM FINS CIENTÍFICOS

O Japão defendeu nesta semana no Tribunal de Haia que a caça de baleias com fins científicos na Antártida deveria ser ajustada às leis internacionais, conforme anúncio do ministro das Relações Exteriores japonês, Fumio Kishida. O governo australiano considera que o Japão, um de seus principais parceiros comerciais, captura cetáceos na Antártida com fins comerciais, o que viola a Convenção Internacional para a Regulação da Atividade Baleeira. “Em nossas alegações, nós tentamos deixar claro que a caça de baleias é parte de pesquisas científicas e que se realizam de uma maneira completamente legal segundo o Artigo 9 da Convenção”, disse Kishida em declarações divulgadas pela agência Kyodo. Os japoneses caçam baleias desde 1987 alegando uma suposta finalidade científica, para investigar o modo de vida e conteúdo dos estômagos dos mamíferos, e suas expedições à Antártida estão sob responsabilidade do Instituto de Pesquisa de Cetáceos. A carne de baleia é vendida nos restaurantes japoneses, mas seu consumo diminuiu bastante nos últimos anos. Em 2009 foram 4.200 toneladas, quando em 1962 eram 230 mil. O Japão abandonou a caça de baleias em 1986 pela moratória internacional, mas voltou à atividade um ano depois sob um programa com fins científicos autorizado pela Comissão Baleeira Internacional (CBI), sob a descrença de muitas associações e países. (Fonte: Terra)

COMENTÁRIOS ()