Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


25 ANOS DE COMEMORAÇÃO E DE MEMÓRIA - PARTE I
* Quando completamos vinte e cinco anos de existência no último dia 20 de junho, inevitavelmente resgatei em minha memória alguns dos principais acontecimentos relacionados à temática ambiental ocorridos a partir de 2002, ano em que iniciei o trabalho como colunista neste jornal. Lá se vão 12 anos e como não lembrar por exemplo, da dura batalha de guerra que vem sendo travada há cerca de meio século entre ecologia e economia, com alguns países se recusando a ratificar o Protocolo de Kyoto, que é o tratado internacional para limitar a emissão de gases que agravam o efeito estufa. Da mesma forma, dez anos após a realização da ECO 92, no Rio de Janeiro, novo fórum internacional se reuniu em Johanesburgo, na África do Sul, para tentar chegar a um acordo sobre a interferência do ser humano sobre o meio ambiente, de modo a evitar uma catástrofe.
* Como não se lembrar do ano de 2003, onde uma onda de calor assolou a Europa, trazendo graves consequências principalmente para países como França, Itália e Portugal, com temperaturas superiores a 40 graus. Neste período, fenômenos naturais de grandes proporções começavam a se tornar frequentes no nosso Planeta, demonstrando assim o incrível poder de destruição, ou como alguns preferiam chamar, de “vingança” da natureza. Já se vão transcorridos dez anos e o mundo jamais se esquecerá do dia em que um terremoto de mais de 8 graus na escala Richter ocorrido a 10 km abaixo do nível do mar, a oeste da ilha de Sumatra, no Oceano Índico, provocou um tsunami com ondas gigantes (entre 15 e 30 metros de altura). A uma velocidade de até 800 km/h, as ondas atingiram oito países da Ásia e o número total de mortos foi estimado entre 200 e 280 mil pessoas. O ano também foi marcado por uma temporada de furacões no caribe, que causou a morte de cerca de 1.500 pessoas.
* No ano seguinte (2005), o furacão Katrina ficou marcado como uma das maiores catástrofes ambientais da década, inundando 80% da cidade de Nova Orleans. Um ano mais tarde, o ex-vice-presidente norte-americano Al Gore, com seu documentário intitulado “Uma Verdade Inconveniente”, alertava o mundo sobre a gravidade da questão ambiental, em especial sobre o aquecimento global. O documentário ganhou o Oscar de sua categoria naquele mesmo ano e levou Gore a receber o Prêmio Nobel da Paz no ano seguinte.
* Em 2007, a divulgação de novo relatório do IPCC (sigla em inglês de Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) levou o assunto ao topo da agenda internacional. As previsões do relatório foram assustadoras, dando conta, por exemplo, de que mais de um bilhão de pessoas poderiam vir a sofrer com a falta de água a partir de 2020, problema que teria como principal causa o derretimento precoce das geleiras do Himalaia. O relatório também alertava para a devastação da Amazônia, cuja área florestal seria substituída por savanas, e a desertificação do semiárido nordestino. O ano se encerrou com a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, em Bali, na Indonésia. Enquanto isso, no Brasil, chuvas torrenciais provocavam transbordamento de rios e inundações em diversas regiões do país afetando a vida de aproximadamente 390 mil pessoas no ano de 2008. Os gaúchos e catarinenses, em especial, sofriam com as ininterruptas pancadas de chuva, desalojando mais de 100 mil pessoas. Furacões no Caribe e ciclones no Sudeste Asiático também deixaram um rastro de destruição no Planeta.
* Na próxima edição, darei continuidade a este relato. E antes de encerrar, proponho um brinde ao nosso aniversariante “Jornal A Semana” pelos seus 25 anos de existência.

COMENTÁRIOS ()