Segunda-Feira, 27 de Março de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net

(Foto: )


Você se considera uma pessoa com hábitos saudáveis em relação ao consumo de alimentos? Você sabe se alimentar bem? Já reparou a quantidade de pessoas que não tem a mínima ideia de como cozinhar ou aproveitar bem os alimentos que têm em casa? Você percebe que somos escravizados pelo sal, açúcar e produtos industrializados? Todas essas respostas fazem parte das discussões ambientais mais atuais e necessárias que deveríamos fazer. Tudo está conectado. Cada grão de arroz desperdiçado representa muitos litros água e de outros recursos naturais que vão para a lixeira. Num mundo onde tantos passam fome e onde morremos de doenças causadas pela ingestão de alimentos alterados, contaminados ou em excesso deveríamos repensar nosso consumo e nossa forma de agir. Aproveitar, reaproveitar, reutilizar são procedimentos indispensáveis para o bem-estar de nosso corpo e do meio ambiente.

Saber Para Repensar...

O excesso de sal mata mais de 1,6 milhão de pessoas no mundo. Consumo alto de cloreto de sódio aumenta a pressão arterial, o que é um risco para doenças cardiovasculares e AVC. (Fonte: Instituto Akatu). O consumo diário de sal no mundo foi, em média, 3,95 gramas por pessoa, quase o dobro dos 2 gramas recomendados pela OMS.

O processamento industrial dos alimentos está ligado a doenças modernas diversas, que os nossos antepassados não tinham e seguidores das dietas tradicionais não apresentam. Um estudo mostra que, se tirarmos uma pequena amostra da população americana da dieta ocidental comum - rica em xarope de milho, sal, gorduras-trans e frutose - ela se mostra 80% menos suscetível a doenças cardíacas coronárias, 90% menos suscetível a diabetes tipo 2 e 70% menos suscetível ao câncer de cólon. A produção em massa desses alimentos falsos e com sabores artificiais gera um ciclo nada sustentável dentro da natureza com monoculturas e o fim da biodiversidade. (Fonte: Planeta Sustentável)

O Brasil é o quarto produtor mundial de alimentos (Akatu, 2003), produzindo 25,7% a mais do que necessita para alimentar a sua população (FAO). De toda esta riqueza, grande parte é desperdiçada. Segundo dados da Embrapa, 2006, 26,3 milhões de toneladas de alimentos ao ano tem o lixo como destino. Diariamente, desperdiçamos o equivalente a 39 mil toneladas por dia, quantidade esta suficiente para alimentar 19 milhões de brasileiros, com as três refeições básicas. (Fonte: VELLOSO, Rodrigo. Comida é o que não falta. Superinteressante. São Paulo: Ed. Abril, nº 174, março/2002).

COMENTÁRIOS ()