Terça-Feira, 25 de Abril de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


Empresa recicla plástico velho e o transforma em petróleo

* Uma reciclagem inédita que converte plástico velho em petróleo de excelente qualidade foi apresentada por uma empresa americana presente no Salão do Meio Ambiente, Pollutec, realizado em Lyon, na França). A técnica da Agilyx, empresa criada em Oregon, no oeste dos Estados Unidos, há apenas seis anos permite tratar qualquer plástico, inclusive o mais velho ou o mais sujo. “O que nos interessa não são os plásticos que são reciclados hoje em dia, mas os plásticos que ninguém quer e que costumam acabar no lixo”, explica à AFP Jon Angin, vice-presidente da empresa, que foi ao salão de Lyon. Este plástico, primeiro triturado, é colocado em um grande “cartucho”, aquecido para se transformar em gás, e depois volta a ser esfriado na água. O petróleo resultante é separado ao emergir à superfície. No fim, mais de 75% do peso original é transformado em petróleo cru, pronto para ser refinado, assim como o petróleo recém-extraído. O resto da matéria fica dividida em gás e em resíduo final. Esta proporção significa que 10 toneladas de plástico – a produção mundial foi em 2011 de 280 milhões de toneladas – fornecem cerca de 50 barris de petróleo, segundo a empresa, que informa, no entanto, que o equivalente a 10 barris de energia foram utilizados no processo industrial. “Produzimos assim cinco unidades de energia para cada unidade consumida”, resume Angin. Esta tecnologia parece ter convencido vários no setor. A empresa tem apenas 60 funcionários, mas já atraiu para seu capital o líder americano dos resíduos Waste Management e o gigante petroleiro francês Total. E não é preciso que o barril de petróleo esteja a US$ 200 para que esta tecnologia tenha saída. “Com a cotação atual do petróleo [em média, a US$ 100 o barril], a Agilyx já é rentável”, ressalta François Badoual, diretor da Total Energy Ventures, filial de investimentos do grupo francês, que entrou no capital do americano no fim de 2010. Angin prefere não falar muito do preço mínimo do barril necessário para que a empresa seja viável. “Estamos muito tranquilos, o preço do petróleo não vai cair abaixo deste nível”, assegura. Em relação ao petróleo produzido, não deve nada em termos de qualidade ao que é extraído no mundo. O plástico já é um produto do petróleo refinado, e não tem muitas impurezas. “É um petróleo de boa qualidade que poderíamos classificar de leve, muitas vezes buscado pelas refinarias”, confirma Badoual. A Agilyx viu vários competidores emergirem, como o britânico Cymar ou o americano Vadxx Energy, embora eles ainda não produzam. (Fonte: G1)

Nível do mar sobe 60% mais rápido do que estimou o ipcc

* A elevação do nível do mar provocada pelo aumento da temperatura do planeta estaria mais acelerada que o estimado em 2007 pelo grupo de climatologistas da ONU, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), revelaram cientistas em um estudo publicado nesta quarta-feira (28) no periódico científico “Environmental Research Letters”. Segundo a investigação feita por cientistas da Alemanha, França e Estados Unidos, atualmente o nível dos oceanos subiu 3,2 mm ao ano, 60% mais rápido que a projeção “mais confiável” do IPCC, em 2007. O relatório dos cientistas, baseado em dados de 2003, previa uma elevação de 2 mm ao ano. A nova cifra condiz com a ideia amplamente difundida de que o mundo se encaminha para uma elevação das águas do mar em até um metro até o fim do século, disse Grant Foster, da empresa americana Tempo Analytics, um dos autores do estudo. “Eu diria que um metro de elevação do nível do mar até o fim do século é provavelmente próximo do que se encontraria se você consultasse as pessoas mais informadas a respeito”, explica Foster. “Em terras baixas, onde você tem um grande número de pessoas vivendo no limite de um metro do nível do mar, como Bangladesh, isto significa o desaparecimento da terra que sustenta suas vidas, e você terá centenas de milhões de refugiados climáticos. Isto pode levar a guerras por recursos e todo tipo de conflitos”, acrescentou. Ainda segundo o pesquisador, em grandes cidades costeiras, como Nova York, o principal efeito seria parecido com o que aconteceu após a passagem do furacão Sandy, que atingiu a região no fim de outubro. (Fonte: Globo Natureza)

COMENTÁRIOS ()