Domingo, 25 de Junho de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net

(Foto: )


Uma boa notícia neste início de ano é que os navios japoneses começaram a realizar a partir desta quinta-feira (8) pesquisas sobre as baleias na Antártica. Em um primeiro momento esta informação poderia ser alarmante, porém o grande detalhe é que os mesmos não irão caçá-las para isso. Estes estudos de observação e de extração de amostras de pele, a princípio não letais, a cargo do Instituto de Pesquisa sobre os cetáceos, serão realizados até 28 de março. Os barcos zarparão do porto de Shimonoseki (sudoeste), e os arpões foram retirados dos navios na medida em que as investigações não envolvem a captura de baleias. O Japão renunciou à caça de baleias na Antártica durante a temporada 2014-2015 após uma sentença do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ). Diante de uma demanda da Austrália, o TIJ considerou que o Japão utilizava com fins comerciais uma atividade de pesquisa. As organizações ambientalistas temem, no entanto, que o Japão ignore a decisão do TIJ e retome a caça de baleias na temporada 2015-2016. O Japão apresentou à Comissão Baleeira Internacional (CBI) e a sua comissão científica um objetivo anual de captura de 333 baleias minke, em vez das 900 incluídos no programa censurado pelo TIJ. Segundo as autoridades japonesas, este nível de captura é necessário para poder definir a idade da população baleeira e, consequentemente, o nível de pesca que não coloque a espécie em risco. O Japão capturou 251 baleias minke na Antártica na temporada 2013-2014 e 103 no ano anterior. Ao mesmo tempo, o Japão continua caçando baleias em nome da ciência no Pacífico noroeste, onde em 2013 capturou 132 cetáceos. (Fonte: G1)


Rinocerontes continuam sendo mortos na Índia por causa de chifres

O corpo de um rinoceronte em extinção foi descoberto no Parque Nacional de Kaziranga, na Índia. Este é o segundo animal da espécie de um chifre que foi morto no local em um período de apenas um mês. As informações são do Daily Mail. O animal foi morto por caçadores, que serraram o chifre antes de fugir. Há algumas semanas, uma fêmea também foi massacrada para a retirada do chifre, tendo o corpo abandonado em uma poça de sangue na mesma área do parque nacional. Os rinocerontes indianos, também conhecidos como rinocerontes de um chifre, são listados como vulneráveis. O mamífero é protegido em áreas do Nepal. (Fonte: Terra)

COMENTÁRIOS ()