Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


CHILE INVESTIGA MASSACRE DE DOIS MIL PINGUINS
A Justiça chilena investiga a denúncia de que milhares de pinguins foram mortos “a pauladas e machadadas” por pescadores em uma ilhota no sul do país. Investigações preliminares e o depoimento de um pescador que teria participado da matança sugerem que os animais foram mortos para que sua carne fosse usada como isca na pesca de um crustáceo típico da região. De acordo com a polícia e com a ONG Fundación Orca Chile, o número de pinguins mortos poderia superar os dois mil. O caso ocorreu na ilhota de Leguas, ao extremo sul da ilha de Chiloé, na Região dos Lagos, no sul do país. A ilhota é habitada por pinguins e não tem moradores ou atividade turística, apesar de a Região dos Lagos ser conhecida pela forte presença de turistas. A testemunha que revelou o caso confessou à polícia ter matado quarenta pinguins somente numa viagem e afirmou que eles foram “destruídos para virar carniça usada em armadilhas para jaibas”. As denúncias incluíram ainda a morte de lobos-marinhos que também poderiam ter sido transformados em isca para a pesca na região. (Fonte: G1)

PLANTAS SE ADAPTAM MELHOR Á MUDANÇA CLIMÁTICA
As plantas adaptam seu metabolismo perante o aumento de temperatura relacionado com a mudança climática de forma mais eficiente do que os cientistas pensavam até agora, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira na revista britânica “Nature”. O trabalho, elaborado por pesquisadores da Universidade de Minnesota (EUA), sugere que a capacidade das plantas de variar seu ritmo de respiração perante um aumento de temperatura faz com que o impacto a longo prazo de emissões de CO2 possa ser menor do que o previsto. A quantidade de dióxido de carbono lançado pelos vegetais na atmosfera é seis vezes maior do que o produzido pela queima de combustíveis fósseis, o que é um fator-chave para calcular como pode evoluir o clima nas próximas décadas. Até agora, os modelos climáticos davam por certa a ideia de que um aumento global da temperatura aumentaria o metabolismo das massas florestais do planeta, o que por sua vez aumentaria as emissões de CO2 e dispararia um espiral de aquecimento difícil de deter. A partir do estudo de diversas espécies de árvores, os pesquisadores constataram que a respiração das plantas aumentou somente 5% durante esse período, quando os modelos teóricos prévios prediziam um aumento em torno de 23%. A capacidade de adaptação das árvores ao novo entorno eliminou cerca de 80% do aumento de emissões de CO2 esperado. (Fonte: G1)

DESCOBERTO PÁSSARO ESCULPIDO EM ROCHA HÁ 35 MIL ANOS
Ele parece o logo do Twitter, mas data de cerca de 35 mil anos: um pássaro gravado pelo homem moderno em um pedaço de sílex encontrado no departamento de Dordonha, na França, foi descoberto por arqueólogos, que o veem como uma expressão de arte “efêmera” e “lúdica”. O pássaro mede cerca de cinco centímetros por cinco. Foi encontrado durante escavações preventivas do Instituto Nacional de Pesquisas Arqueológicas Preventivas (Inrap) há vários anos no sítio de Cantalouette, perto de Bergerac. O pedaço de sílex queimado, recentemente analisado na Espanha, mostrou que o pássaro era uma obra de arte do Aurignaciano, período do Paleolítico Superior, que viu a chegada dos humanos modernos na Europa Ocidental.

COMENTÁRIOS ()