Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net


Desmatamento da Amazônia Legal aumenta 190%
Dados do Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), mostram que o desmatamento na área da Amazônia Legal em Mato Grosso aumentou 190% nos meses de fevereiro e março de 2016 em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram derrubados 172 km² neste ano, enquanto em 2015 foram 60 km².
Conforme os dados, os municípios que mais desmataram em Mato Grosso nos meses de fevereiro e março foram Marcelândia (27,9 km²) e Feliz Natal (26 km²). Outros oito municípios do estão estão na lista dos que mais desmataram, sendo eles Nova Maringá (13 km²), Juína (12.2 km²), Santa Carmem (10.5 km²), Aripuanã, (8.6km²) Diamantino (7.6 km²) e Juara (7.4 km²).

Nesse período, Mato Grosso foi o responsável por 81% do desmatamento registrado na Amazônia. Rondônia ficou em segundo lugar, com 9%. Porém, na comparação dos períodos de agosto de 2015 a março de 2016, e agosto de 2014 a março de 2015, o estado teve queda de 7% na área desmatada, passando de 639 km² para 595 km².

De acordo com o SAD, em março deste ano, 61% da área florestal da Amazônia Legal estavam cobertos por nuvens, sendo que os estados com mais cobertura o Amapá (91%), o Pará (77%) e o Amazonas (63%).

Foram registrados em toda a Amazônia Legal 25 quilômetros quadrados de desmatamento em assentamentos de reforma agrária em fevereiro e março. Dos três mais afetados da área, estão dois de Mato Grosso, sendo o PE Vida Nova, em Jangada, e PA Japuranoman, em Nova Bandeirantes. Ainda conforme os números, não foi detectado desmatamento em Unidades de Conservação e Terra Indígenas nos meses de fevereiro e março.

Em reunião na Conferência Mundial do Clima, realizada em dezembro de 2015 em Paris, o governo de Mato Grosso anunciou que pretende acabar com desmatamento no estado até 2020. No final de março, foi publicado o decreto nº 468, que instituiu o Comitê Estadual da Estratégia PCI, que será responsável por implantar e acompanhar o cumprimento das metas.
A primeira reunião do Comitê deverá ocorrer ainda nesta quinta-feira (05), às 14h30, no Palácio Paiaguás, em Cuiabá. (Fonte G1)

Zimbábue venderá animais selvagens
O governo do Zimbábue anunciou que venderá parte de sua fauna selvagem para obter dinheiro para a conservação, em uma tentativa de lidar com a seca provocada pelo fenômeno El Niño, que ameaça tanto pessoas como os próprios animais neste país no sudeste da África.
A intenção da Autoridade de Gestão de Parques Nações do Zimbábue é convidar os potenciais clientes a apresentarem ofertas para comprar animais selvagens - as espécies não foram determinadas ainda - mas a decisão foi duramente criticada por várias organizações conservacionistas. (Fonte G1)

COMENTÁRIOS ()