Terça-Feira, 17 de Outubro de 2017 |

Colunista


Cantinho Ecológico


Marco Aurélio


verdade@cpovo.net

(Foto: )


* Situada no Estado do Rio Grande do Sul, compreendendo partes dos municípios de Santa Vitória do Palmar e Rio Grande, entre a Lagoa Mirim e o Oceano Atlântico, próximo do Arroio Chuí, na fronteira do Uruguai, encontramos a Estação Ecológica do Taim, com uma área de 32.038ha. Um dos principais motivos que levaram à criação da Estação Ecológica do Taim em 21 de julho de 1986, pelo decreto 92.963, foi o fato de esta área ser um dos locais por onde passam várias espécies de animais migratórios vindos da Patagônia. A simples utilização da estação como área de descanso, de crescimento ou nidificação torna-a ainda mais importante, pois para as espécies migratórias a destruição de uma área na rota de migração pode colocá-las em risco de extinção. Na parte norte da estação, há uma pequena floresta com área de 10 ha, que constitui uma verdadeira preciosidade ecológica. As árvores dominantes são a figueira nativa (Ficus organensis) e a corticeira (Erythrina sp) das quais pendem barbas-de-velho que causam efeito decorativo. Nas árvores há também lindas orquídeas, sendo a principal a Cattleya intermédia. No banhado, que constitui a maior parte da Estação domina o junco (Scirpus californicus). Estão presentes, também, plantas que boiam nas águas como o aguapé (Eichornia crassipes) e a Pistia stratiotes, a erva-de-santa-luzia, além de gramíneas diversas. Dentre estas foram assinaladas a Paspalum e a Spartina de porte elevado, que ocupa grandes áreas do banhado. Muitas delas oferecem refúgio para diversas espécies de aves e mamíferos. A Estação Ecológica do Taim tem uma variadíssima fauna. O jacaré-de-papo-amarelo está incluído nas listas nacionais e internacionais dos animais ameaçados de extinção. A principal ave é o cisne-de-pescoço-preto, o único cisne verdadeiro do continente sul-americano e um dos mais bonitos do mundo, constituindo a grande estrela da avifauna do Taim. Outras espécies também ameaçadas de extinção são o coscoroba, os iererês, o marrecão da Patagônia, os socós, o tacha, a garça-branca-grande e muitos outros. Entre os mamíferos estão presentes a nutria ou ratão-do-banhado, que sofreu uma perseguição intensa devido ao valor da sua pele, o tuco-tuco e a capivara. O cervo-do-pantanal foi encontrado no Taim, porém no início do século foi extinto devido a ações predatórias do homem. Por ser o banhado um dos últimos remanescentes desse tipo de ecossistemas, a Estação Ecológica do Taim tem valor especial para estudos ecológicos. A Estação conta com toda uma infra-estrutura para o desenvolvimento de pesquisas. Não é permitida a visitação pública com o objetivo de lazer, porém para atividades de Educação Ambiental é estimulada e/ou promovida.

A estação ecológica do Taim (ESEC Taim) é uma unidade de conservação brasileira de proteção integral da natureza. A administração da estação está atualmente a cargo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), uma autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente.

* A estação está situada numa estreita faixa de terra entre o oceano Atlântico e a Lagoa Mirim. A planície costeira do Rio Grande do Sul apresenta áreas de grande expressão no contexto ambiental do extremo sul do Brasil, originadas pelos avanços e recuos do mar. Os banhados do Taim apresentam diversificados ecossistemas e estão representados por praias lagunares e marinhas, lagoas, pântanos, campos, cordões e campos de dunas. É assim uma das principais estações ecológicas gaúchas e um dos principais ecossistemas do Brasil.

* Desfrute de agradáveis momentos em meio à natureza. Para chegar ao Taim a partir de Porto Alegre, use a BR- 116 no sentido da cidade de Pelotas, a qual lhe dá acesso pela BR 471 até a Estação Ecológica do Taim. Ao seu redor é possível encontrar pousadas, hotéis, chalés e áreas para camping.

COMENTÁRIOS ()