Quinta-Feira, 04 de Maro de 2021 |

Colunista


Conversando sobre o cotidiano


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Quem vai ser o primeiro...

A corrida pela vacina contra Covid 19 está terminando em nosso país, pois já chegam as primeiras doses para a vacinação dos grupos prioritários, entre estes os profissionais da saúde e idosos institucionalizados.

Somos um país com mais de 200 milhões de habitantes, sendo necessário, segundo os estudos a vacinação em massa de pelo menos 100 milhões para garantir que o coronavírus para de circular.

As duas marcas autorizadas para uso emergencial no Brasil são a Coronavac e a AstraZeneca, ambas produzidas por laboratórios brasileiros, porém com necessidade de insumos vindos da China.

O presidente do Brasil e o governador de São Paulo estão em disputa pela “paternidade” da vacina, sendo que o embate entre eles se tornou mais acirrado com a liberação das vacinas.

João Dória não esperou o sinal verde do Ministério da Saúde e no domingo, dia 17 de janeiro, autorizou a vacinação da primeira brasileira, fato que causou desconforto ao presidente.

Essa atitude desencadeou uma corrida para liberação das vacinas para os outros Estados, sendo que a data prevista seria dia 20 de janeiro, porém já no dia 18 vários governadores fizeram fotos ao lado dos primeiros vacinados.

Fora toda a descrença de uma grande parcela da população em relação às vacinas, há também a negativa do presidente em relação à pandemia, insistindo no tratamento precoce com hidroxicloroquina e outros remédios, porém sem comprovação científica.

Por outro lado, há um imenso número de brasileiros interessados em fazer a vacina e retomar, ao longo deste ano, suas atividades e diminuindo os protocolos de prevenção à Covid 19, caso a imunização atinja os níveis necessários.

Dória saiu na frente e foi a autoridade a posar ao lado da primeira brasileira vacinada, sendo que se os protagonistas dessa disputa gastassem mais tempo juntando forças para conseguir mais doses da vacina, os vencedores seriam os brasileiros.

COMENTÁRIOS ()