Tera-Feira, 06 de Dezembro de 2022 |

Colunista


Conversando sobre o cotidiano


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Verdades e mentiras

Passado o primeiro turno das eleições as parcerias firmadas na campanha acabaram e novas alianças surgem para a disputa do segundo turno, porém com enormes contradições, causando um estranhamento nos eleitores.

Os políticos brasileiros são movidos por interesses pessoais, muitas vezes contrariando as orientações dos partidos quando o assunto é apoio a candidatos, devido à possibilidade de conseguir mais verbas para suas bases eleitorais.

Também pesa na balança a possibilidade de ocupar cargos importantes nos governos e poder administrar grandes orçamentos públicos, além de poder encaixar em funções seus apoiadores e simpatizantes.

Os diversos anúncios de apoios para o segundo turno variam de todos os matizes, sendo possível observar alguns políticos que se ofenderam, há pouco tempo, agora estão de mãos dadas na campanha e buscando a vitória.

Desta maneira direita e esquerda, no Brasil, são confusas, variando as ideologias conforme os interesses do momento, com candidatos defendendo ideias liberais e tradicionais, conforme o público que estiver na assistência.

Também temos a possibilidade de ouvir os candidatos justificando suas ações antigas, numa tentativa de negar fatos e mostrar que houve manipulação das informações, sempre culpando outros por isso.

Muitos pulam de partido em partido na busca de tempo para ser usado nas campanhas em rádio e televisão, enquanto tantos outros estão no governo e na hora da eleição abandonam o governo e criticam como se nunca fizessem parte do processo.

A verdade de hoje é a mentira de amanhã, com aliados históricos virando antagônicos, enquanto oponentes antigos hoje estão juntos na disputa pelos cargos, ou seja, política, no Brasil, só tem a lógica do interesse econômico e não da defesa dos interesses da população.

COMENTÁRIOS ()