Sexta-Feira, 28 de Julho de 2017 |

Colunista


Entre Linhas


Werner Pfluck


wernerpfluck@hotmail.com


Faça o que eu digo...
Algumas das vozes que falavam mais alto sobre reforma política são, ironicamente, alguns dos candidatos que mais estão gastando nesta campanha. Um deputado federal que a cada eleição costuma aparecer bastante em Alvorada, e que neste ano mais uma vez pretende levar daqui uns bons votos para sua reeleição, fez (e faz) bastante propaganda se apresentando como o Dom Quixote da reforma política na Câmara dos Deputados, mas é um dos que mais tem esbanjado recursos com material de propaganda, e ostenta uma estrutura de dar inveja a muito profissional da “velha política”. Coerência é para os fracos.

Penumbra
A Câmara de Vereadores aprovou nesta semana, por 12 votos a quatro, o projeto de lei apresentado pelo prefeito Professor Serginho, que aumenta o valor da taxa de iluminação pública para todos os consumidores, residenciais, empresariais e outros. Se o aumento da arrecadação se reverter em melhorias na precária iluminação pública da cidade, terá sido justificável tirar mais esse quinhãozinho do bolso da população. Resta conferir, porque reclamações de moradores que andam às escuras em suas ruas não faltam. E caberá aos próprios vereadores, que aprovaram o aumento, fiscalizar a ação do Executivo, o que é sua atribuição, embora poucas vezes tenha sido exercida.

Diz-me com quem andas
Muitos eleitores ainda não digeriram a aproximação do PTB ao PT depois das últimas eleições municipais, quando ambos tratavam-se como inimigos mortais. O que nos últimos meses parecia apenas uma aliança informal, apresentada nos discursos como necessária para colocar os interesses da cidade acima de ressentimentos partidários, agora está escancarada. Petebistas e petistas andam abraçados, sem qualquer pudor, e cantam juntos nos palanques e em cima de carros de som os jingles de ambos os partidos, em nome da aliança ao governo estadual. E já ensaiam o discurso, ainda que a voz pequena, de que em 2016 estarão juntos de novo. Tudo em nome de um projeto maior, claro. Não um projeto de poder e que pretenda preservar as boquinhas, claro que não. Seguramente estão todos muito motivados com as nobres causas da sociedade alvoradense, não parece?

Hora da verdade
As manifestações de junho do ano passado trouxeram para as ruas muitas demandas, mas as que mais se destacaram diziam respeito à moralidade na política e na gestão pública. Algo me diz que agora, que é a oportunidade que temos de fazer alguma coisa concreta, escolhendo bons representantes e renovando os quadros políticos, pouco vai mudar. Muitas das velhas raposas estarão mais uma vez sendo eleitas, e pelos mesmos eleitores que as xingavam há pouco mais de um ano. A boa e velha propaganda, produzida com esmero por profissionais de mercado cooptados para o ambiente político, outra vez está seduzindo os eleitores com frases de efeito, belas músicas e cenas de fazer jorrar lágrimas, e a emoção é o que vai determinar o voto. O verdadeiro debate de ideias e de projetos, a história pregressa dos candidatos e o seu potencial de contribuir de fato para um Brasil melhor e para um Rio Grande promissor, menos ideológicos e mais eficientes, isso tudo ficou mais uma vez para o segundo plano. Voto consciente é o que menos vai se ver, de novo. E temo ainda que vai ser grande a quantidade de votos brancos e nulos. Pena. Nossa democracia custa a amadurecer.

COMENTÁRIOS ()