Terça-Feira, 19 de Setembro de 2017 |

Colunista


Entre Linhas


Werner Pfluck


wernerpfluck@hotmail.com


Na manhã da última quarta, os diretores do grupo Pedra Branca / 5R, tendo o empresário Valdir Silveira à frente, apresentaram as informações atualizadas sobre as obras do Praça Alvorada Shopping. Valdir, mais conhecido como Foguinho, está animado com o ritmo dos trabalhos. A previsão é de que as portas sejam abertas em abril do ano que vem. Alvorada não será mais a mesma a partir deste empreendimento, que deve gerar 2.500 empregos e alavancar a valorização imobiliária do entorno, além das obras viárias que acompanham o projeto, junto ao principal acesso da cidade à capital.
Projeto audacioso
Autoridades e imprensa foram os convidados do encontro, em que puderam conhecer detalhes do projeto e visitar o parque de obras. O Praça Alvorada Shopping será um complexo de 27 mil m², com 133 lojas, entre as quais grandes nomes do varejo nacional. A praça de alimentação terá 23 estabelecimentos, ao lado de seis salas de cinema totalmente digitais. Os clientes contarão ainda com um estacionamento de mil vagas cobertas e 900 ao ar livre. Foguinho está animado, porque as pesquisas já realizadas apontam que este investimento, o maior em andamento no Estado atualmente, terá um forte impacto na economia local e, sobretudo, na imagem de Alvorada.
Desafio
O poder público é que precisa se mexer com mais entusiasmo. A questão da mobilidade urbana, que já é um problema hoje, poderá ser afetada ainda mais a partir do início das operações do shopping, considerando-se ainda o empreendimento da construtora DXH, um complexo de torres comerciais e residenciais em construção no outro lado da Av. Getúlio Vargas. Ambos os projetos preveem investimentos em obras viárias, por parte dos construtores, como abertura e ampliação de vias de acesso, não só para seus estabelecimentos, mas que também contemplam o entorno. Entretanto, a administração municipal não poderá contar apenas com o investimento privado para resolver os problemas viários da cidade, que vão muito além da demanda futura originada pelas duas obras.
Miopia
Como já comentado aqui, Alvorada sofre com a concentração de sua atividade econômica na Av. Getúlio Vargas. O “centro” é uma “tripa esticada”, que há tempos esgotou sua capacidade de tráfego em horários de pico, e não há projetos ao alcance da visão para minimizar as dificuldades que enfrentam motoristas, pedestres e comerciantes, todos espremidos na mesma faixa. O meio-fio da avenida foi pintado para o “carnaval de quaresma” deste fim de semana, mas seguimos aguardando a realização de obras imprescindíveis, e atrasadas, e alguém que pense a cidade no longo prazo. O que, aliás, é espécie em extinção no meio político, cuja visão costuma se estender, no máximo, até a campanha eleitoral mais próxima.
Expectativa
Domingo será mais um dia histórico para o Brasil. Muita gente, mas muita gente mesmo levantará de seus sofás e tomará as ruas, aumentando o coro dos descontentes com os rumos do país. O receio é com os infiltrados que promoverão confusões, como em 2013, com o objetivo de esvaziar as manifestações. Contagem regressiva, com o coração na mão. Infelizmente pressinto que dias muito difíceis se aproximam. Quisera estar enganado.

COMENTÁRIOS ()