Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017 |

Colunista


Entre Linhas


Werner Pfluck


wernerpfluck@hotmail.com


Contagem regressiva
O governo de Dilma Rousseff acabou. Aliás, já faz algum tempo. Ela só ainda ocupa a cadeira da Presidência da República porque eles são muito combativos. Teimosos. Não vão largar o osso. Não vão entregar o poder com facilidade. Ainda que isso custe o sacrifício de toda uma nação. Não há limites para o seu projeto de poder. E como já haviam anunciado, farão “o diabo” para se manterem lá. Mas está cada dia mais próxima a destituição de Dilma. Políticos graúdos de Brasília falam em menos de 45 dias.

Sem saída
São muitas as frentes de batalha para Dilma, Lula e o PT. O Congresso iniciou os trabalhos do processo de impeachment, que ganhou força com os episódios dos últimos dias. O Superior Tribunal Eleitoral está julgando o uso de dinheiro roubado na campanha de reeleição, com farto material probatório disponibilizado pela Lava Jato. O STF tem autorizado investigações sobre importantes lideranças da base do governo. O PMDB está abandonando o governo. A base que o governo tinha no Congresso está esfarelando. E para fechar o cerco, o povo está indo às ruas com vontade. Dilma não pode falar nem na TV, tamanha sua rejeição. Um governo nessas condições não sobrevive em lugar algum do planeta, a não ser resguardado por forças militares ou milícias, como na vizinha Venezuela.

Gota d’água
A tentativa de nomear Lula ministro da Casa Civil foi uma aposta alta que deu errada. Dois dias depois da maior manifestação popular da história do Brasil, com cerca de seis milhões de pessoas nas ruas pedindo, de novo, o fim deste governo e a prisão de Lula, e dando total apoio às investigações da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Justiça, Dilma anuncia que o ex-presidente seria abrigado em seu governo. Foi o que faltava para inflamar ainda mais os ânimos da população.

Espiões
As conversas de Lula divulgadas na quarta confirmaram o que já se sabia: Dilma ofereceu um ministério com o propósito de livrar o ex-presidente de uma prisão iminente, passando a gozar do foro privilegiado no STF. A cerimônia de posse até foi antecipada para ontem porque espiões do governo dentro da Lava Jato souberam que a PF estava com pedido de prisão do ex-presidente pronto para ser encaminhado ao juiz Sérgio Moro na quinta-feira.

Lula pode ser preso
Como a posse de Lula foi anulada pelo juiz Itagiba Catta Preta Neto, Lula volta a não ter foro privilegiado, e poderá ter sua prisão solicitada pela Polícia Federal e autorizada por Sergio Moro. Lula também está proibido de assumir qualquer outro cargo com prerrogativa de foro. A liminar ainda será submetida a julgamento em instância superior, que poderá mantê-la ou não.

Cortina de fumaça
Quanto à divulgação (e não “vazamentos”) das gravações, o PT mata o mensageiro. Nenhuma palavra sobre o grave conteúdo das conversas de Lula. Toda a artilharia está voltada contra o juiz Sergio Moro, para tentar criminalizá-lo e desviar as atenções do que realmente importa. Moro, naturalmente, não está só. A quase totalidade da magistratura, a PF e o MPF apoiam seus atos, considerando-os legítimos, legais e oportunos. Só o PT esperneia, direito que numa democracia é assegurado a qualquer um.

COMENTÁRIOS ()