Quinta-Feira, 23 de Março de 2017 |

Colunista


Falando de Segurança


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Execução no Aeroporto

A violência está disseminada em todos os lugares é o que se houve nas conversas nas ruas entre as pessoas, as quais assistem a divulgação dos assassinatos em lugares que, anteriormente, não eram cenários de tiroteios e mortes.

Num curto espaço de tempo tivemos tiroteios em frente a hospitais e postos de saúde com algumas mortes, assassinatos em frente às escolas, igrejas, creches e escolas saqueadas, com tudo acontecendo à luz do dia, inclusive com imagens sendo divulgadas em tempo real pelas redes sociais.

Além dessas ações criminosas houve muitos casos com mortes violentas de policiais militares, alguns executados com frieza conforme as gravações que foram amplamente divulgadas.
Culminando na execução de um jovem, no dia de seu aniversário de 18 anos, com 17 tiros na parte superior do corpo, no Aeroporto Salgado Filho, em plena manhã, onde havia um grande número de pessoas aguardando para embarcar em voos naquele horário, sendo várias imagens do circuito interno de câmeras divulgadas na mídia, expondo toda a ação dos assassinos em detalhes.

Muitas dessas situações são comuns no meio das vilas e bairros menos favorecidos das cidades, mas não tem a repercussão na mídia de forma tão contundente, quando acontecem inúmeros assassinatos pela disputa de territórios entre os criminosos.

Agora que a violência atinge redutos anteriormente protegidos pela polícia, a qual pela falta de efetivos e número de viaturas reduzidas diminui sua atuação nestes locais, surge uma onda de indignação na mídia, que não vimos quando muitas cidades de nosso Estado bateram recordes de assassinatos há alguns anos atrás.

As soluções para queda dos índices de criminalidade passam por mudanças na legislação penal, criação de vagas suficientes nas prisões e aumento de policiais e viaturas nas ruas, o que só acontecerá ao longo prazo.

As ações paliativas em Porto Alegre e outras cidades, sem resultado aparente não reduziram a violência, apenas temos verificado mais viaturas nas vias principais e nos locais de maior concentração de pessoas.

COMENTÁRIOS ()