Terça-Feira, 28 de Março de 2017 |

Colunista


Falando de Segurança


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


A buzina é um equipamento obrigatório dos veículos e só deve ser utilizada em duas situações: para fazer advertências e evitar acidentes ou para, fora das áreas urbanas, advertir outro condutor que pretende ultrapassar o veículo. Na prática, no entanto, os motoristas utilizam a buzina para cumprimentar pessoas, chamar a atenção de outros motoristas ou pedestres, comemorar momentos festivos e até chamar alguém para abrir o portão.
A legislação também prevê que a buzina não deve ser acionada entre as dez da noite até às seis da manhã, porém costumamos ouvir buzinadas durante as madrugadas. Em frente a hospitais e estabelecimentos de ensino também não se deve buzinar, mas motoristas não se constrangem em utilizar suas buzinas nestes locais.
A distorção da legislação ocorre pela falta de educação de nossos motoristas e pedestres. Todo mundo tem pressa, quer chegar antes de outro, não pode esperar. Se o sinal abre e o veículo da frente aguarda alguns segundos para que evite o acidente com um motorista que, também por falta de educação, se aproveita do sinal amarelo, buzina-se, ás vezes, freneticamente para que o carro da frente arranque.
Caso o trânsito esteja trancado em todas as direções, ouvimos buzinaços para andar, mesmo que não haja para onde ir. Pedestres também contribuem, muitos não respeitam o sinal para suas travessias e também atravessam fora das faixas, pretendendo que os motoristas parem em qualquer lugar para que cruzem as vias.
O congestionamento das vias surge do crescimento da frota de carros individuais, passando pelo sucateamento do transporte público e chegando à falta de planejamento urbano, aumentando o risco de acidentes e confusões no trânsito.
A educação para o trânsito passa pela necessidade de se colocar no lugar do outro, saber que se perdermos um segundo para permitir que o outro avance na nossa frente, vamos contribuir para a fluidez do trânsito.
Os adultos são exemplo para as crianças, se não cumprirem as normas de trânsito, não poderão cobrar o cumprimento das outras normas, a criança espelha-se nas atitudes de quem a cerca, se tivermos falta de educação, criaremos uma geração futura de pessoas mal-educadas no trânsito e na vida.


*Ten Cel BM, Jornalista e Escritor

COMENTÁRIOS ()