Domingo, 28 de Maio de 2017 |

Colunista


Falando de Segurança


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Todo mês é a mesma história

Desde janeiro que os funcionários públicos do Executivo passaram a ter uma preocupação a mais nos finais de cada mês: se receberiam ou não os salários em dia, pois o novo governo estadual começou a cogitar o atraso no pagamento e parcelamento da folha salarial.

Depois nos meses de agosto e setembro uma onda de parcelamentos chegou à vida de milhares de pessoas, sem nenhum anúncio prévio, inclusive desencadeando uma onda de greves daqueles que deveriam receber por um serviço prestado à comunidade, mas infelizmente isto não aconteceu.
A folha de outubro foi paga integralmente, mas com sobressaltos, pois até a véspera do pagamento havia a incerteza, criando angústia a várias famílias que dependem do salário dos funcionários públicos do Executivo.

Cabe frisar que os funcionários públicos do Legislativo e Judiciário não passaram por estas agruras, pois receberam salários em dia, apesar de todo o dinheiro sair de uma mesma fonte de recursos: o Tesouro do Estado.
A folha de novembro será paga integralmente, porém o anúncio disso só ocorreu na véspera do pagamento, gerando aos servidores noites mal dormidas, preocupações sobre como efetuar pagamentos que já venceram, pois a maioria das pessoas teve sua vida financeira desestruturada por esta política de atraso salarial.

Esperemos que esta situação pare de acontecer, que os funcionários públicos deixem de sofrer esta pressão psicológica e este desgaste perante a opinião pública, como se os problemas das contas públicas fosse responsabilidade de quem trabalha e não de quem administra o Estado.

Que o pagamento de salários seja prioridade, pois milhares de pessoas dependem disto, além de ser um direito do cidadão de receber por trabalho realizado, dentro do prazo legal. Se não conseguir pagar em dia que, pelo menos, o governo anuncie e organize o pagamento de salários de foram transparente e antecipada, como já fizeram outros governos estaduais que atrasaram salários.

COMENTÁRIOS ()