Terça-Feira, 25 de Abril de 2017 |

Colunista


Falando de Segurança


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Levantando o tapete

A história politica brasileira sempre foi marcada por conchavos e conspirações, com grupos oposicionistas querendo tirar o grupo que está no poder. Independente do período em que isso acontece sempre existe um político que vai se sobressair para defesa dos interesses da oposição do momento.

A vontade de estar no poder ou assumi-lo faz com que tenhamos o surgimento de alianças inacreditáveis e de difícil compreensão, pois juntam pessoas das mais diversas ideologias para defender o projeto político apresentado pelo grupo principal.

Esta prática é comum em todos os níveis do governo, inclusive nos outros poderes, com acordos escusos para que determinados interesses sejam atendidos, numa sucessão de acontecimentos que a população não consegue entender, assistindo, atualmente, uma luta por cassação e impeachment.

As ações de defesa de quem está sendo ameaçado limitam-se a ofensas e apontamentos dos erros do outro para justificar os seus, sem mostrar razões de defesa coerentes, numa total falta de ética e respeito.

Estas manobras fazem aparecer o que estava escondido embaixo do tapete dos acordos políticos, da distribuição dos cargos, nos apadrinhamentos que determinam trocas e quedas de assessores, conforme os acordos vão sendo quebrados.

Assistimos num dia o encaminhamento do processo de cassação de Cunha e, no mesmo dia, a aceitação da denúncia de impeachment de Dilma, na sequência manobras para adiar a votação no Conselho de Ética e tentativas de parar o impeachment, num festival de acordos e acertos, desnudando todo o lado obscuro das entranhas do poder.

Agora para mostrar mais sujeira, a Polícia Federal desencadeia mais uma operação que vai revelar outros desdobramentos da Lava-Jato nas diversas esferas do poder, com envolvimento de quem acusa e de quem é acusado.

Tudo só está acontecendo, suponho, porque acordos não foram cumpridos, houve desacerto no fechamento dos números da corrupção, que deixaram de beneficiar pequenos grupos e passaram a ser bons para uma enormidade de políticos e empresas.

Espero que o tapete continue sendo levantado, mostrando toda a sujeira, mas não basta mostrar, tem que retirar a sujeira, bater o tapete e reiniciar com uma nova maneira de fazer política neste país.

COMENTÁRIOS ()