Sexta-Feira, 26 de Maio de 2017 |

Colunista


Falando de Segurança


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Mais um ano se passou

Chegamos ao último dia do ano de 2015, onde tivemos uma enormidade de problemas, um país que se assustou com tantos escândalos de corrupção em todos os níveis da administração pública, havendo algumas prisões emblemáticas de diversos políticos e empresários.

Passamos por inúmeras tragédias naturais, muitas enchentes e vários períodos de estiagem, havendo prejuízos econômicos na agroindústria e desaceleração da economia, com aumento de insumos e também da eletricidade e combustíveis.

A destruição da natureza continua em nosso país, pela ganância dos empresários e incompetência dos órgãos de fiscalização, resultando em catástrofes e desastres ocorridos ao longo deste ano.
A criminalidade aumentou assustadoramente, resultado de políticas públicas de desvalorização dos servidores e legislação que não responde às necessidades da sociedade, aliada à falta de vagas no sistema prisional.
No âmbito legislativo vimos manobras de governos e oposições para mudanças legislativas que atenderam mais aos interesses de grupos, em detrimento do interesse da coletividade.
Os repetitivos ajustes fiscais em todos os níveis dos governos demonstram o descontrole dos gastos públicos, numa onda de nomeações sem concursos públicos, além de estruturas burocráticas desnecessárias ao funcionamento estatal.

A população foi sacrificada diariamente com aumentos de impostos para manter a máquina pública, sem a contrapartida necessária em serviços essenciais ao seu cotidiano.

Resta-nos esperar que este ano que se encerra não repita todos os problemas, que venham melhores dias, com melhores administrações públicas, melhoria dos serviços públicos, com valorização correta de quem trabalha pelo país.

2016 será um belo ano para que cada um de nós faça as melhores escolhas, com atitudes simples que contribuam para que haja uma vida melhor para todos neste nosso enorme país, partindo do ato diário de abraçar e fazer os outros felizes.

COMENTÁRIOS ()