Domingo, 19 de Novembro de 2017 |

Colunista


Falando de Segurança


Paulo Franquilin


franquilin.pc@gmail.com


Embalagens encolheram

Ao verificar as compras que fiz no supermercado, neste final de mês, observei que os preços aumentaram muito, pois comprei menos itens e gastei um valor bem maior que no mês anterior.

Este tipo de constatação deve ter sido feita pela maioria das pessoas que compram, pois o aumento dos preços é uma constante em nossas vidas, temos inclusive a nítida impressão de que nosso poder de compra encolhe a cada dia.

Antigos hábitos estão sendo deixados de lado, pois não há mais dinheiro para o que não é essencial, inclusive com mudanças em nossas opções de compra, compramos os itens mais baratos, não os melhores, deixamos nossos filhos em escolas públicas e retiramos das particulares.

Mas outro aspecto que chama a atenção é a diminuição do tamanho das embalagens dos produtos, o que antes tinha um quilo, agora tem 900 gramas, o que tinha 500 gramas, reduziu para 400, enquanto os preços aumentaram.

Ou então aparecem outras opções de tamanhos que não tínhamos antes, com valores mais em conta, mas com menos produto, numa ilusão de economizarmos, mas que na verdade leva a gastar mais e levar menos.

Não vou nem falar do preço dos combustíveis e energia elétrica, que consomem grande parte dos nossos salários, enquanto o combustível não é dos melhores, a energia elétrica sempre nos surpreende com suspensão dos serviços.

Vivemos num momento de extrema dificuldade financeira para todos, pois vemos voltar a inflação, ou seja, a cada mês compramos menos com o mesmo valor.

O aumento de impostos é outro aspecto que faz diminuir o nosso poder de compra, com vários itens de nossas necessidades básicas consumidas pelas diversas taxas que pagamos a cada compra.

Com a chegada da Páscoa anuncia-se um fenômeno de preços aumentados dos produtos de chocolate, com diminuição do tamanho das embalagens e produtos oferecidos, ou seja, pagaremos mais caro para presentear com ovos de páscoa bem menores, graças à inflação e alta taxa de nossos impostos.

COMENTÁRIOS ()