Quinta-Feira, 22 de Junho de 2017 |

Colunista


Tradição e Cultura


Valdemar Engroff


gaucho.valdemar@pop.com.br


Observações do Relatório de Atividades do MTG
Damos uma camperiada no Relatório das Atividades, uma verdadeira prestação de contas, ampla, geral e irrestrita do MTG, referente ao exercício de 2016. E neste relatório, em anexo, está a Lista Destaque, onde aparece a pontuação de todas as entidades tradicionalistas filiadas no MTG, onde o tradicionalismo de Alvorada teve a seguinte pontuação:
1 – CTG Chilena de Prata – 100 pontos;
2 – CTG Campeiros do Sul – 65 pontos;
3 – CTG Sentinelas do Pago – 60 pontos;
4 – CTG Amaranto Pereira – 55 pontos;
5 – CTG Amanhecer na Querência – 50 pontos, empatado com o CPF O Tempo e o Vento;
6 – CTG Bento Gonçalves da Silva – 10 pontos. A mesma pontuação do CTG Raça Gaúcha;
7 – Piquete Parceiros da Tradição – 5 pontos.
No universo da Primeira Região Tradicionalista, o campeão, com 170 pontos (de 200 pontos possíveis) foi o CTG Caudilio Guaibense, de Guaíba. Também são daquela cidade o segundo e terceiro lugares: CTG Darcy Fagundes, com 165 pontos e DTG Berço Farroupilha com 155 pontos. Quero crer que isso seja um fato inédito em nossa região, pois sempre tínhamos mais de uma entidade com a pontuação máxima e entidades tradicionais com esta pontuação ficaram para trás, como o 35 CTG de Porto Alegre e o CTG Aldeia dos Anjos de Gravataí.
Em Termos de Rio Grande do Sul, nas 30 Regiões Tradicionalistas, tivemos em 2016 apenas dezessete entidades tradicionalistas com pontuação máxima e coube à 7ª Região Tradicionalista com nove entidades com esta pontuação, onde a Região e as suas entidades tradicionalistas filiadas estão de parabéns pelo baita trabalho que fazem ao longo do tempo em seus galpões, canchas de rodeio e dentro do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Em segundo lugar ficou a 4ª Região Tradicionalista, que teve três entidades com pontuação máxima.
Ainda temos muitas entidades que simplesmente não pontuam. Falta o trabalho de conscientização e participação mais efetiva dentro do movimento tradicionalista. Continua alto o número de entidades com nota “zero” na Primeira Região Tradicionalista, onde, de 114 entidades filiadas, 46 simplesmente não pontuaram (40,35%).
Já nas Regiões Tradicionalistas com menos entidades com nota “zero”: a Segunda Região com apenas duas entidades de um total de 45 (4,44%); a Trigésima Região, com duas entidades de um total de 33 entidades filiadas (6,06%) e a Quarta Região, de um total de 26, também apenas duas com nota zerada (7,69%). Por outro lado, uma das regiões tradicionalistas com altíssimo número de entidades com nota zerada é a 15ª, pois, em um total de 72 entidades, 66 entidades não pontuaram em 2016 (apenas seis pontuaram, com um percentual sem pontuação de 91,67%), onde concluímos que tem um trabalho árduo a fazer dentro dos galpões das entidades tradicionalistas desta Região.

Fandango em São Leopoldo
Nesta pausa tradicionalista, que geralmente vai desde a semana do natal até finais de fevereiro / início de março, é preciso garimpar para achar algum fandango na nossa região. Praticamente estes eventos não acontecem, mas, o convite é para a gauchada se deslocar para São Leopoldo no dia 11 de fevereiro, para participar do tradicional baile da cerveja, no galpão do CTG Tio Lautério. Contatos pelos fones (51) 82597576 ou 93903255. O CTG fica na Av. Tarcílio Nines, 301, na Vila Born.

COMENTÁRIOS ()