Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020 |

Colunista


Tradição e Cultura


Valdemar Engroff


gaucho.valdemar@pop.com.br


A tradição perdeu Alex Lima

Em plena sexta-feira santa, partiu para a querência eterna o tradicionalista Alex Lima. Um gaúcho que militava e respirava a tradição nas 24h do dia. Sua paixão era a dança tradicional, principalmente para a criançada. Ensinava com maestria e fez com que muita criança se tornasse tradicionalista desde pequeno e para toda a vida. Entre outras funções foi patrão do CTG Estância do Rubem Berta em Porto Alegre e atualmente estava na luta pelo tradicionalismo em Alvorada, no CTG Amanhecer na Querência, novamente como instrutor de danças tradicionais. Nossas condolências de pesar à esposa e aos seus filhos, familiares e amigos.

Os dez maiores gaiteiros da gaita-ponto (1)

O tradicionalismo, as atividades tradicionalistas pelos nossos galpões, acampamentos de rodas de mate, por aqui geralmente param em janeiro e fevereiro, para começar com todo o vapor em março, com os seus jantares campeiros, cursos de fandango, ensaios das invernadas, fandangos, rodeios e eventos culturais e campeiros. Mas com a chegada a galope da pandemia do Coronavírus, estamos em recesso, desta vez de forma forçada (#fiqueemcasa).

Então vamos trazer para a coluna alguns registros que merecem divulgação. O meu amigo Léo Ribeiro de Souza publicou, “os dez maiores mestres da gaita-ponto”, feito via participação de tradicionalistas e seguidores seus de todo o Estado. E a ordem é apenas alfabética, pois não é uma competição, apenas um registro, formado por muitas opiniões (participantes desta enquete). Então vamos lá:

1 – Chico Brasil – o gaiteiro dos bailes – Francisco de Assis Brasil, o Chico Brasil (de camisa preta), gaiteiro multipremiado em vários festivais e rodeios ingressou no conjunto Os Monarcas no ano de 1992. Ali, encontrou-se como gaiteiro de fandango. Extremamente hábil no dedilhar de uma botoneira, Chico Brasil representa dezenas de músicos de baile que levam, com muita alegria, o som das gaitas de botões aos salões do Brasil. Estão entre estes grandes gaiteiros Orlandinho Rocha, Gilmar Selau, Osmar Motta, Volmir Dutra, Neneco, Rodrigo Pires, Gerson Fogaça (que foi muito citado) e outros.
2 – Dedé Cunha – o chamamesero –Antônio Dedé Cunha é natural de Manuã (Cabeleira), outrora pertencente a São Borja, cidade esta (São Borja) onde vive até hoje. Foi soldado da Brigada Militar e parceiro de grandes nomes missioneiros como Noel Guarany, Cenair Maicá e Pedro Ortaça. Foi mestre, na botoneira, de Gabriel Ortaça e hoje ainda é professor, difundindo este instrumento para a piazada lá de São Borja. Dono de um estilo autêntico abrindo, nas famosas vaneiras e chamarras de sua autoria nos cinco discos que gravou, a famosa cordeona branca de três ilheras. Além de Gabriel, seguem os passos do grande Dedé Cunha, gaiteiros como Tiago Rossato, San Pedro de La Cordeona, Renato Fagundes e muitos outros. A fonte desta bagagem cultural é o sitio que recomendo, o Blog do Léo Ribeiro. Abra as porteiras clicando em www.blogdoleoribeiro.blogspot.com. Continuaremos na próxima edição.

COMENTÁRIOS ()