Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020 |

Colunista


Tradição e Cultura


Valdemar Engroff


gaucho.valdemar@pop.com.br


Projeto Marmita Solidária

Com a chegada da pandemia do Coronavirus (Covid 19), a solidariedade dos gaúchos, em especial dos tradicionalistas, dá vasão maior, se multiplicando em ações que merecem destaque. E o Projeto Marmita Solidária surgiu devido a necessidade em atender os mais carentes com marmitas quentinhas. E tudo começou em um galpão no Parque Harmonia em Porto Alegre e logo em seguida o projeto foi acolhido pelo CTG Estância da Azenha. E o número de voluntários cresceu e o projeto continua em franco crescimento.

Também fomos informados que fazem parte do projeto as entidades tradicionalistas de Alvorada: o Piquete Parceiros da Tradição (Renato Spaniol) e o Piquete Vô Dino (Wladimir Kuse). E os números que se transformam em solidariedade aos mais necessitados são muito positivos: “nos reunimos três vezes por semana em Porto Alegre no CTG Estância da Azenha, onde preparamos em média 650 marmitas para distribuir para entidades organizadas e moradores de rua. Em Alvorada, todos os sábados preparamos trezentas marmitas, que são distribuídas no Colégio situado no Sítio dos Açudes e no Instituto Kizomba; e na Cooperativa dos Catadores de Viamão”.

Em Viamão, todas as quartas-feiras, são feitas duzentas quentinhas para os moradores de rua; em Cachoeirinha, a Campeira do CTG Rancho da Saudade elabora e distribui trezentas marmitas aos mais necessitados. Em Alvorada, a partir das 6h da manhã, nos sábados, são elaboradas marmitas para distribuição, por voluntários do projeto, na sede da empresa Automasafaty.

De acordo com o levantamento do Projeto, desde o dia 11 de abril foram produzidas e distribuídas 6.481 marmitas quentinhas (até o dia 28 de maio), devendo-se acrescentar mais entre 1500 e 1700 nesta semana e em torno de 1200 a 1500 semanalmente enquanto a pandemia persistir e as doações simplesmente acontecem e quase todas, seja em forma de alimentos não perecíveis, roupas, calçados, cobertores, leite, máscaras, valores em dinheiro, enfim, tudo que possa ser doado, é de forma anônima. São as verdadeiras pessoas do bem que fazem o bem sem olhar para quem. São estas pessoas (as que doam e as que são voluntárias deste projeto) que colocam dia após dia em prática o Art. 1º da Carta de Princípios do Movimento Tradicionalista Gaúcho: “Auxiliar o Estado na solução dos seus problemas fundamentais e na conquista do bem coletivo”.

CTG Amaranto Pereira

Domingo, dia 07 de junho, o CTG Amaranto Pereira realiza o “pague e leve” (meio frango assado com maionese de batata cujo kit / porção dá para duas pessoas). O evento segue as normas sanitárias vigentes e será exigido o distanciamento social e o uso da máscara. Encomendas com o Patrão Adair pelo waths (51) 999.990.294 até hoje. As retiradas do kit deverão acontecer das 12h às 3h30min, no galpão do CTG.

Pague e Leve em Alvorada

A partir desta sexta-feira os CTGs farão o seu “pague e leve”, onde os CTGs coirmãos se comprometem com cinco convites de cada entidade. O primeiro “pague e leve” é hoje no CTG Bento Gonçalves da Silva. E nas sextas-feiras seguintes o projeto vai acontecer em junho nos CTGs: Campeiros do Sul (dia 12), Amanhecer na Querência (19), Sentinelas do Pago (26); em julho: Raça Gaúcha (dia 03), Chilena de Prata (10), Tradição (17), CPF O Tempo e o Vento (24) e CTG Amaranto Pereira (31). Mais informações com o Subcoordenador Jair Martins pelo fone (51) 999.994.513.

COMENTÁRIOS ()