Quarta-Feira, 27 de Janeiro de 2021 |

Jovens com deficiência cognitiva se casam e emocionam assistentes sociais

Lucas e Aline se casaram em uma cerimônia simples no final de novembro

Por Redação em 24 de Dezembro de 2020

"Lucas e Aline se casaram no dia 26 de novembro, em uma cerimônia simples para amigos e familiares" (Foto: Divulgação)


O sonho de se casar passa pela cabeça de muitas pessoas e com Lucas Bueno Pacheco, 28 anos, isso não foi diferente. Mesmo tendo deficiência intelectual (retardo mental leve), o jovem alvoradense queria se casar e encontrou em Aline Silveira Dias a pessoa certa para isso. Tanto é que, em 26 de novembro, o casal se reuniu em matrimônio e emocionou dezenas de pessoas.

Isso porque ele fazia parte do Movimento Assistencial Evangélico (MAE) desde 2007, aos 15 anos. Foram 13 anos sendo acompanhado pela coordenadora-geral da instituição, Alexandra Gutierres, que falou sobre o casamento. “Na nossa instituição e o primeiro casamento. Tivemos um outro caso, mas ele só foi morar junto. Nos sentimos realizadas, pois isso é o sinal que o nosso trabalho fez a diferença”, salienta a gestora do local.

Após anos de tratamento, ele saiu da MAE em 2020 e segue se medicando em casa. Além disso, hoje ele trabalha na SOUL e tem uma independência maior. Hoje ele e sua esposa moram juntos em uma casa no mesmo terreno dos pais de Aline. Isso depois do dia 26 de novembro, quando eles se casaram. A jovem também tem deficiência cognitiva moderada.

Contudo, ela não era tratada na MAE e eles se conheceram em outra entidade que tinha no município há alguns anos. “Essa moça que ele namorou ele conheceu na APAE e depois perderam o contato. Somente depois de algum tempo, através do Facebook, eles começaram a conversar e logo depois estavam namorando. Eles noivaram depois de um ano”, relata Alexandra.

Lucas foi criado na MAE e conseguiu se reestruturar mesmo com suas limitações. Antes de casar-se, ele havia concluído os estudos e estava empregado na empresa de ônibus. Ele falou do sentimento de mais essa conquista. “O MAE me ajudou muito em tudo no serviço. Eles me cuidaram e deixaram eu namorar, noivar e casar. Sou muito grato a todos que trabalham no MAE”, finaliza Lucas.

COMENTÁRIOS ( )