Sábado, 18 de Novembro de 2017 |

Mais de oito milhões são investidos para a pavimentação de 19 ruas

Recursos do Executivo e da METROPLAN beneficiam vias do município em mais de cinco quilômetros

Por Redação em 13 de Outubro de 2017

"Após quatro anos paralisadas e com previsão de término para fevereiro de 2018, já é possível visualizar melhorias nas vias beneficiadas, como na Rua Umbandistas" (Foto: Guilherme Wunder)


Em 2013, o ex-governador Tarso Genro (PT) veio até Alvorada e anunciou o convênio com a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (METROPLAN) para a pavimentação de 19 ruas da cidade. Na época as obras foram iniciadas e, posteriormente, paralisadas, devido a decreto de contingenciamento de gastos do atual governador José Ivo Sartori (PMDB).

Passados quase quatro anos, em maio de 2017, a Prefeitura de Alvorada anunciou o início e retomada das obras. No total são mais de 5.300 metros de pavimento que serão colocados em ruas do município. Estes convênios fazem parte do Programa de Retomada do Desenvolvimento Econômico e Social (PROREDES).

Ao todo são R$ 8.054.423,42 investidos em pavimento na cidade, sendo R$ 2.339.178,85 do Executivo e o restante da METROPLAN. O objetivo destas obras, segundo divulgado na assinatura do convênio, é contribuir para o desenvolvimento da infraestrutura de transporte, inovações tecnológicas, entre outros setores da economia do estado.

Três empresas estão realizando as obras: Base Vias, Dobil Engenharia e Coesul Engenharia. As empreiteiras ficaram responsáveis pela pavimentação das seguintes ruas: Airton Sena, Murilo Furtado, Anita Malfati, Jatobá, Três, General Vitorino, Wenceslau Escobar, Baobá, Tramandaí, Piratini, Umbandistas, Tarumã, Catumbi, Estados Unidos, Pedro Alvares Cabral, Manoel Bernardes, Tupi, Barão do Cerro Largo e Guaíba.

Fevereiro de 2018

Para conhecer a realidade das vias, a reportagem do Jornal A Semana acompanhou o engenheiro da Secretaria de Obras e Viação (SMOV), Marco Aurélio Martins, na vistoria das obras. Durante a rota, foi possível compreender o estágio de cada rua, com algumas faltando apenas a sinalização viária, como a Umbandistas e Pedro Alvares Cabral; enquanto outras ainda estão nos serviços iniciais, como é o caso da Tupi.

Além disso, existem ruas que aguardam resultado do material aplicado, que foi encaminhado para estudo na Fundação de Ciência e Tecnologia (CIENTEC). Conforme explicou o engenheiro e fiscal de obras, antes e depois da colocação do asfalto, o órgão de pesquisa é chamado para avaliar questões como terraplanagem, drenagem e o pavimento como um todo. Assim é possível que se tenha o controle da qualidade.

“Existem etapas que uma obra de pavimentação deve passar. São elas, a drenagem pluvial; terraplanagem; pavimentação; mobilidade urbana, que são as calçadas e rampas de acessibilidade; sinalização viária e o controle de qualidade. Somente depois que todas estas etapas são passadas e concluídas que a obra é entregue para a comunidade”, salienta o engenheiro.

Esse é o caso das ruas Airton Sena, Tarumã, Catumbi e Estados Unidos, que já realizaram a colocação da base de brita graduada. Além disso, existem ruas que já estão asfaltadas e aguardam apenas a conclusão dos passeios e a sinalização viária, como é o caso da Umbandistas e Pedro Alvares Cabral. Entretanto, a maioria das obras ainda está na etapa de terraplanagem e drenagem pluvial.

A expectativa inicial era de que as obras fossem entregues para a comunidade em outubro deste ano, porém a SMOV solicitou um termo aditivo até fevereiro de 2018. Segundo eles, questões climáticas, contratempos das obras e a demora no reinício foram os fatores que ocasionaram este atraso. Tanto é que a METROPLAN aceitou o pedido e o novo prazo foi apresentado.

Isso é possível ver em ruas como a Tupi, que aguarda a liberação de recursos; e também da Avenida Piratini, que espera o termo aditivo. Entretanto, por mais que estas obras estejam andando de uma forma mais lenta, as duas devem ser entregues no prazo de fevereiro de 2018, respeitando a data divulgada pela SMOV. Isso porque as empresas responsáveis pelas ruas estão trabalhando em outras vias enquanto aguardam os trâmites legais.

Secretário Valdemir Martins

Em conversa com o secretário de Obras e Viação, Valdemir Martins, nos foi informado que a pavimentação foi reiniciada em maio porque a atual gestão não achava viável devolver o recurso da METROPLAN e optou por bancar a contrapartida que é de responsabilidade do município. Além disso, Martins ressaltou a importância que estas obras têm para a cidade.

“São menos 19 ruas que vão apresentar problema na cidade. Isso porque, vias pavimentadas nos fazem não gastar com saibramento, patrolamento e outros aspectos que no asfalto não teremos problemas”, conta o titular da pasta.

COMENTÁRIOS ( )