Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017 |

Prefeito Appolo e comitiva vão a Brasília atrás de recursos para o município

Secretários da Fazenda e da Segurança e Mobilidade Urbana participaram de agendas nos ministérios

Por Redação em 17 de Novembro de 2017

"O secretário Paulo Ramos explica que, enquanto o município estiver no CAUC, não será possível receber investimentos do Governo Federal. " (Foto: Matheus Pfluck)


O prefeito José Arno Appolo do Amaral (PMDB) esteve em Brasília na última semana. Acompanhado dos secretários da Fazenda (SMF), Marcelo Machado; e da Segurança e Mobilidade Urbana (SMSMU), Sérgio Coutinho; o líder do Executivo reuniu-se com o ministro do Desenvolvimento Social (MDS), Osmar Terra. O objetivo do encontro foi buscar recursos para investimentos em Alvorada.

Segundo o secretário de Governo e Gabinete (SGG), Paulo Ramos, foi averiguado que Alvorada está no Cadastro Único de Convênios (CAUC), que funciona como uma espécie de SPC ou SERASA, só que do poder público. Por causa disso, o município não pode receber recursos de investimentos oriundos do Governo Federal e isso prejudica a inclusão da cidade em programas que destinam verba.

Ramos explica que o motivo de Alvorada estar no CAUC novamente é um problema que vem perdurando desde as gestões dos ex-prefeitos Carlos Brum (PTB) e Sérgio Bertoldi (PT), que é a questão do videomonitoramento. Além disso, existiam outras pendências menores e que o município já conseguiu devolver o recurso, como cerca de R$ 11 mil referente ao Carnaval. “A questão é que o gasto com o videomonitoramento é muito alto e não teríamos orçamento para arcar com essa dívida”, explica o titular da pasta.

Conforme o secretário da SGG, no governo anterior, o programa foi retomado em dezembro e o Ministério da Justiça veio fiscalizar o projeto em janeiro e ele já não estava mais em funcionamento. “Quando o levantamento foi feito, eles averiguaram o problema e não aprovaram as contas. Por isso estamos no CAUC. Assim que resolvermos essa questão, poderemos voltar a pleitear recursos junto ao Governo Federal.”, relata Ramos.

Em Brasília, foram apresentadas duas alternativas para que o município possa sair do CAUC do Governo Federal: devolver os recursos ou entrar na justiça contra a administração anterior. “Nós vamos por este segundo caminho. Atualmente não existe recurso no município para quitar essa dívida. Essa é a única maneira de conseguirmos investimentos para o desenvolvimento da cidade”, salienta Paulo Ramos.

O secretário explica ainda que isso deve acontecer nos próximos dias e que o município vai informar o Governo Federal assim que tiver um parecer. Assim é possível voltar a receber investimentos de Brasília. “Enquanto estivermos no CAUC, nossos projetos vão bater nesse quesito e não serão aprovados. Porém temos boas perspectivas que sairemos deste sistema em breve”, conclui o titular da pasta.

COMENTÁRIOS ( )