Segunda-Feira, 16 de Outubro de 2017 |

Reportagem especial celebra 52 anos da emancipação de Alvorada

Jornal A Semana conversa com quatro dos cinco ex-prefeitos

Por Redação em 15 de Setembro de 2017

"Prefeitos que fizeram parte da história de Alvorada" (Foto: Divulgação)


O município de Alvorada comemora neste domingo, 17/09, 52 anos de sua emancipação de Viamão. E, para celebrar esta data tão simbólica e importante para a cidade, a equipe de reportagem do Jornal A Semana buscou realizar um resgate histórico dos ex-prefeitos que fizeram parte da história e da construção de Alvorada.

Ao todo, em suas 13 eleições municipais, nove prefeitos passaram pela Prefeitura e deixaram seu legado. Destes nove, quatro já faleceram. São eles: Antônio Antonino Alves, Pedro Antônio de Godoy, Elisardo Duarte Neto e Léo Barcellos. Já os outros cinco prefeitos que passaram pela cidade e estão vivos e trabalhando são: Marne Machado Feijó, José Arno Appolo do Amaral, Stela Beatriz Farias Lopes, João Carlos Brum e Sérgio Maciel Bertoldi.

Destes cinco nomes que governaram o município, o Jornal A Semana conversou com quatro deles – o atual prefeito, José Arno Appolo do Amaral, optou por não conceder entrevista. Com isso foi possível saber um pouco mais sobre a história da cidade e do político que por ela passou, além de saber algumas curiosidades sobre o que estão fazendo atualmente.

4ª Legislatura

Em janeiro de 1977, assumiu a Prefeitura o candidato Marne Machado Feijó. O político, que hoje mora no Bairro São Pedro, é aposentado como advogado, profissão que se formou e exerceu. O ex-prefeito também foi vereador em dois mandatos e participou de outras três eleições ao cargo máximo do Executivo municipal.

Em entrevista, Marne Feijó disse ter orgulho de sua cidade e se mostra satisfeito de seu mandato como prefeito. Segundo ele, foram construídas e reformadas doze escolas, sendo oito municipais; além de ter construído o Hospital de Alvorada, a Prefeitura e ter implantado serviços como rede de Correios e Telégrafos, o posto do INSS e redes bancárias.

Aos 73 anos, o ex-prefeito conta que os desafios de seu mandato foram muitos, considerando que a Prefeitura desabou devido a um tornado que atingiu a cidade no início de seu mandato. Segundo Feijó, muitas das dificuldades que surgiram no município foram superadas com o objetivo de se deixar um legado para o desenvolvimento da cidade. O ex-prefeito falou ainda sobre o que faria caso tivesse a oportunidade de voltar a legislar.

“Eu acho que tudo vai do momento e de uma questão de análise das prioridades da gestão. Quando assumi era necessário a construção de uma Prefeitura, por exemplo. Hoje eu teria que me focar em discussões com a comunidade para entender as prioridades emergentes”, conclui o ex-prefeito Marne Feijó.

8ª e 9ª Legislaturas

Assumiu em janeiro de 1997 a primeira – e até hoje única – prefeita de Alvorada, Stela Beatriz Farias Lopes. A alvoradense é também professora e exerceu a profissão por três anos no município antes de se dedicar a vida política. A ex-prefeita e hoje deputada estadual pelo Partido dos Trabalhadores (PT), permaneceu no Executivo municipal por dois mandatos, tendo concorrido mais uma vez ao pleito.

No seu primeiro mandato Stela se ateve na organização das finanças da cidade e na pavimentação das ruas, foram 200 km de calçamento. Já em seu segundo mandato, procurou trabalhar a autoestima do povo alvoradense e investiu na educação da cidade, tendo construído mais duas escolas municipais, além de reformar e ampliar todas as outras.

A deputada conta que, caso tivesse a oportunidade de assumir o posto máximo do município, não faria nada de diferente, mas sim faria mais coisas. Segundo Stela, sua gestão trouxe mudanças históricas na cidade, mesmo com a falta de estrutura, equipamento e até recurso. Devido a essas questões mais complexas que Stela buscou fazer um governo com o povo, seja através de conselhos municipais como também com o Orçamento Participativo. A deputada falou ainda sobre suas perspectivas para o futuro de Alvorada, principalmente falando sobre o desenvolvimento econômico da cidade.

“A cidade se ressente de um plano diretor, uma discussão transversal que envolva o conjunto dos agentes públicos, políticos, empresários, lideranças comunitárias, tradicionalistas, desportistas, artistas, intelectuais e população em geral, para produzir acordos de melhorias em todas as áreas. Nosso parque industrial ainda é muito tímido, embora tenha importantes indústrias instaladas. Tenho certeza que só um grande acordo, reunindo essas lideranças que citei, tem potência para produzir mudanças significativas para a cidade”, salientou Stela.

10ª e 11ª Legislaturas

Em janeiro de 2005 assumiu o posto de prefeito da cidade João Carlos Brum. O político ficou no cargo por dois mandatos, tendo saído em 2012. O contabilista, que tem um escritório de contabilidade no centro da cidade, mora até hoje no município e, além de sua formação como contador, também cursou a graduação de sociologia.

Em entrevista, o ex-prefeito Carlos Brum ressaltou que sua gestão foi marcada por avançar em diversas áreas, como a industrialização e a pavimentação das ruas. Além disso, Brum falou sobre o relacionamento com a comunidade e com os servidores. Isso porque, segundo ele, as pessoas querem ser ouvidas e exporem seus problemas e só uma administração aberta pode criar um ambiente favorável ao desenvolvimento. Além disso, também foi ressaltado o que teria sido feito de diferente, caso tivesse uma nova oportunidade.

“Quanto ao que eu não faria novamente, sobra pouca coisa, mas penso que eu deveria ter reforçado mais o controle interno, dado mais atenção aos procuradores do quadro e centralizado mais as decisões. A liberdade de ação, deixar os colaboradores trabalhar, faz o governo e as obras andarem, mas aumenta o risco de erros, em parte, motivo dos muitos processos judiciais que respondo hoje”, finaliza o ex-prefeito João Carlos Brum.

Brum também fez uma reflexão sobre o aumento de dez vezes da população da cidade em menos de 40 anos e que os investimentos não acompanharam o crescimento do município. Porém, mesmo com essa condição, o ex-prefeito vê com otimismo o futuro da cidade. Isso porque houve uma estabilização do crescimento demográfico, os novos loteamentos são mais organizados, a cidade está se verticalizando e os novos investimentos chegando.

12ª Legislatura

Quem assumiu a cadeira mais importante da cidade em janeiro de 2012, permanecendo por quatro anos, foi o prefeito Sérgio Maciel Bertoldi, conhecido popularmente como professor Serginho. Após ter sido vereador, ele assumiu a Prefeitura e, após seu mandato, voltou à sala de aula. Sérgio é professor de educação física e atualmente leciona na Escola Gentil Viegas, no Bairro Porto Verde.

Em seu mandato foi o responsável por ter se credenciado em diversos programas do Governo Federal, como “Pronatec” e “Minha Casa, Minha Vida”. Além disso, também trouxe para a cidade recursos que promoveram a construção de obras como a UPA 24 Horas e o CEU das Artes, que aguardam questões burocráticas para serem inauguradas.

Segundo o ex-prefeito Serginho, para que a situação econômica da cidade melhore, é necessário também que o país e o estado tenham uma recuperação financeira. Ainda conforme ele, foram muitas conquistas em sua gestão e, caso tivesse uma nova oportunidade, seria feito um trabalho para aprofundar os recursos conquistados para a cidade.

“Eu acho que repetiria a mesma relação que tive com o Governo Federal, independente do partido que esteja lá. É necessário esse contato e a luta por recursos para melhorar a cidade, principalmente na área de pavimentação. Foi o que eu trabalhei nestes quatro anos e eu seguiria batalhando nas melhorias da infraestrutura do município”, finaliza Sérgio Bertoldi.

COMENTÁRIOS ( )