Segunda-Feira, 16 de Outubro de 2017 |

SMOV trabalha na recuperação das vias após chuvas da última semana

Engenheiros estão fazendo o mapeamento dos pontos mais críticos

Por Redação em 22 de Setembro de 2017

"Após excesso de chuvas, buracos voltaram a abrir na entrada da cidade pelo bairro Americana" (Foto: Guilherme Wunder)


Alvorada passou por uma semana movimentada quando se pensa na quantidade de chuva. Isso porque, em apenas dois dias, foram 145 milímetros. Isso segundo a Secretaria de Obras e Viação (SMOV). Passado alguns dias sem chuva, a reportagem do Jornal A Semana mapeou alguns pontos da cidade e conversou com o secretário da pasta, Valdemir Martins, para saber quais serão os próximos passos da Prefeitura.

Segundo Martins, na segunda-feira, 18/09, foi realizada uma reunião com o prefeito José Arno Appolo do Amaral e foi definido que os engenheiros da SMOV realizariam um mapeamento dos pontos mais críticos da cidade. Após está etapa, será apresentado ao prefeito o balanço e o orçamento que seria necessário para realizar um trabalho emergencial da operação tapa-buraco na cidade.

Ainda conforme o titular da pasta, apesar de o levantamento ainda não estar concluído, a SMOV segue com o cronograma da operação tapa-buraco e vem fazendo um serviço paliativo em crateras maiores. Nesses locais está sendo colocada a brita base, até para que se evitem acidentes de trânsito. Essas ações seguirão até que seja possível realizar o asfaltamento das vias.

“O tapa-buraco rotineiro está acontecendo normalmente. Nós queremos e estamos trabalhando para colocar um aditivo e colocar mais duas equipes para dar uma visibilidade maior. A gente fez na umas vistorias nas ruas nesta segunda-feira e vimos que é necessário fazer um trabalho mais forte. Nós precisamos deste levantamento até para dar uma estimativa de quanto será gasto para solicitar esse investimento”, salienta o secretário.

Dentre esse levantamento estão pontos como o Bairro Umbu, a entrada da cidade pela Americana e o Parque Água Viva; entre outras regiões da cidade. Martins ressalta que, como foi muita chuva, ocasiões como essa acontecem, principalmente próximos aos arroios, pois se tem muita umidade em cima do asfalto e isso prejudica o material e a via.

O secretário também foi questionado sobre o acúmulo de água próximo a parada 43, na entrada da cidade. Segundo ele, hoje se tem uma macrodrenagem e os canos não dão conta de escoar toda a água da região. Porém já existem projetos para corrigir esse problema e fazer uma ligação que siga até atrás do empreendimento da DHX.

“Já existe projeto para corrigir esse problema. O problema é o recurso para realizar uma obra dessas. Seriam aproximadamente um milhão para fazer a obra. A gente tem consciência da necessidade de se corrigir esse problema e isso acontecem em outros locais também, como em frente à Carlesso Redemac e na Caetano Dihl”, conclui Valdemir Martins.

COMENTÁRIOS ( )