Terça-Feira, 20 de Fevereiro de 2018 |

Crítica de A Forma da Água

Longa-metragem é o que mais tem indicações para o Oscar 2018

Por Redação em 02 de Fevereiro de 2018

"Produção foi dirigida pelo mexicano Guillermo del Toro." (Foto: Divulgação)


Finalmente começamos a temporada mais bela de quem gosta de cinema. Mas não do cinema pipoca e sim de filmes bem desenvolvidos e trabalhados. Isso porque começaram a chegar ao Brasil os filmes indicados ao Oscar 2018. Esse fenômeno acontece todos os anos e visa apresentar ao público brasileiro as grandes produções realizadas em 2017, mas que não é sucesso de bilheteria, apesar de arrancarem elogios da crítica especializada.

Iniciando essa fase aqui no Jornal A Semana, este que vos escreve assistiu ao filme que contem mais indicações neste ano. Sim, estamos falando de A Forma da Água, longa-metragem dirigido por Guillermo del Toro. A produção se passa nos anos 60, durante a corrida espacial, e conta a história de Elisa, que é uma das zeladoras em um laboratório experimental secreto do governo, e que acaba se afeiçoando a uma criatura fantástica mantida presa e maltratada no local. Para executar um arriscado e apaixonado resgate ela recorre ao melhor amigo Giles e à colega de turno Zelda.

E, baseado nesta premissa, que temos a construção de um dos melhores e mais peculiares filmes desta temporada de premiações. Isso porque é meio difícil de acreditar no que acontece durante a fantasia desenvolvida pelo diretor mexicano, porém tudo acaba fazendo sentido. Isso muito graças a verossimilhança desenvolvida por del Toro durante todo o longa-metragem. Apesar de surreal, as ambições de Elisa acabam se encaixando e suas semelhanças com a criatura acabam aproximando ambos os personagens.

Além disso, apesar de ser um filme intenso e rápido – são pouco mais de duas horas que passam voando – a produção consegue mesclar tudo. Todos os personagens são bem desenvolvidos e, mesmo com o tempo gasto na construção de cada um, existem cenas belas e cadenciadas, que fazem com que o público possa se envolver cada vez mais com a bela e peculiar relação dos dois protagonistas da trama.

Não sabemos quantas estatuetas A Forma da Água e o Guillermo del Toro vão receber no Oscar 2018, mas é possível ter certeza de que a produção eleva o mexicano para outro patamar no cinema. Não que suas outras produções não sejam boas, mas essa é acima da média e supera todas as expectativas. Talvez seja por isso que o diretor já vem ganhando prêmios e pode acabar abocanhando mais algum.

Estreias da semana

Todo o Dinheiro do Mundo: John Paul Getty III é o neto favorito do magnata do petróleo J. Paul Getty, um dos primeiros bilionários da história da humanidade. O sequestro do rapaz coloca a sua mãe, Gail Harris, em uma corrida desesperada para convencer o ex-sogro a pagar o resgate milionário do filho. Frio, manipulador e mesquinho, Getty irá encarregar o ex-espião Fletcher Chase, seu homem de confiança, de descobrir quem e o que está por trás do crime, solucionando o problema sem o desperdício de nenhum centavo de sua fortuna.

Paddington 2: Após ser adotado pela família Brown, Paddington ganhou muita popularidade na comunidade de Windsor Gardens. No aniversario de 100 anos de sua tia Lucy, esse simpático ursinho sai em busca do presente perfeito e acaba encontrando um livro único na loja de antiguidades do senhor Gruber. Paddington se submete a uma série de trabalhos bizarros para poder comprá-lo, e quando o livro é roubado, ele e sua família farão de tudo para encontrar o ladrão.

COMENTÁRIOS ( )