Terça-Feira, 20 de Fevereiro de 2018 |

Crítica de Sobrenatural: A Última Chave

Este é o quarto longa-metragem da franquia

Por Redação em 19 de Janeiro de 2018

"Filme estreia nesta quinta-feira" (Foto: Divulgação)


Começamos 2018 com um filme bem bom, seguido por um bem fraco. Pensei que agora seria a vez do bem bom novamente. Errado queridos leitores. Isso porque, em Sobrenatural: A Última Chave, voltamos a ter uma produção que fica difícil de defender. A única coisa que podemos dizer é que a franquia chegou ao fim. Pelo menos é o que esperamos.

No longa, que se passa antes do primeiro filme, acompanhamos a doutora Elise Rainier, interpretada por Lin Shaye, que é chamada para resolver o caso de uma assombração no Novo México, localizada justamente na casa em que ela passou a infância. Pois é. Agora descobrimos como tudo isso começou. Talvez agora o público entenda a origem deste universo.

E, iniciando isso, já podemos dizer: que saudade da direção de James Wan. Não digo isso como uma crítica ao trabalho de Adam Robitel, mas é que a qualidade entre os dois é destoante. Enquanto Wan consegue construir filmes de terror com personagens profundos, Robitel constrói tudo voltado para aquele susto clichê de filmes de terror: um grito ou um contraste na iluminação.

E eu digo isso com tristeza, pois gosto dos dois primeiros filmes da franquia e acho que esse último é superior ao terceiro longa-metragem. Os coadjuvantes, principalmente os ajudantes de Elise estão muito bem. E, por mais que isso seja bom, também é ruim. E aqui chegamos ao grande ponto que me preocupa e que me fez se decepcionar com a franquia: a falta de linearidade.

Sinceramente não gosto de filmes que vão e voltam e no tempo, resolvendo contar uma origem no terceiro e quarto filme da franquia. Isso porque, o desenvolvimento do personagem não se encaixa. Falta algo. São aspectos simples e que os produtores não se preocupam, mas que o telespectador quer entender o porquê as atitudes de todos não mudam e amadurecem com o decorrer da franquia.

Infelizmente Sobrenatural: A Última Chave decepciona. Quem vai ao cinema para se assustar e dar um grito, mas se esquecer de tudo 30 minutos depois, pode ir assistir. Agora, quem está acostumado com o terror de Wan ou filmes mais desenvolvidos, não gaste seu dinheiro. Espere que outros filmes de terror tomem o lugar.

Estreias da semana

Gaby Estrela: Depois do grande sucesso no mundo da música, a adolescente Gaby Estrella começa a sofrer com a concorrência de um novo ídolo teen, Natasha. Para voltar às paradas de sucesso, ela precisa voltar às suas origens, na cidade do interior Vale Mirim.

Me Chame Pelo Seu Nome: O sensível e único filho da família americana com ascendência italiana e francesa Perlman, Elio, está enfrentando outro verão preguiçoso na casa de seus pais na bela e lânguida paisagem italiana. Mas tudo muda quando Oliver, um acadêmico que veio ajudar a pesquisa de seu pai, chega.

COMENTÁRIOS ( )