Terça-Feira, 20 de Fevereiro de 2018 |

Publicação gaúcha vence 34º Prêmio Angelo Agostini

Fanzine mais longevo do Brasil, o Tchê, também receberá documentário em 2018

Por Redação em 09 de Fevereiro de 2018

"Publicação completou 30 anos sendo distribuída no ano de 2017." (Foto: Divulgação)


No último sábado, 03/02, o Memorial da América Latina de São Paulo foi sede da entrega do 34º Prêmio Angelo Agostini, tradicional premiação dos quadrinhos independentes nacionais. O fanzine Tchê, em publicação há mais de 30 anos, foi o grande vencedor da categoria “Melhor Fanzine sobre Quadrinhos”. A publicação é organizada pelo professor alvoradense Denilson Reis.

Segundo o artista, a ideia de desenvolver o fanzine Tchê veio do incentivo de outros fanzineiros que conheceu em 1985. “Nesta época, costumava escrever sobre os filmes e os shows de rock que assistia, pensando em um dia ser jornalista. Peguei este material que estava na gaveta, escrevi uma história em quadrinhos que foi desenhada pelo argentino Isaac Hunt, com o qual trocava correspondência e pedi algumas ilustrações para amigos como Henry Jaepelt, que usei como capa”, relata Reis.

Para o alvoradense vencer o prêmio de melhor fanzine brasileiro de 2017 significa dever cumprido. Isso porque, conforme o autor, com o tempo o fanzine foi se tornando uma forma de resistência e luta pelo reconhecimento do quadrinho brasileiro e de seus artistas. “Este troféu é de todos e não só meu, por isso a alegria foi muito grande, principalmente pelo fato de receber este reconhecimento no ano em que a publicação completa 30 anos. O prêmio veio a coroar uma trajetória de publicação e juntar-se ao filme que vai contar a história dos 30 anos”, explica o artista.

Sobre a importância deste prêmio para o cenário brasileiro de HQs, Reis salientou que esse troféu pode ser considerado uma das mais importantes formas de reconhecer a produção de quadrinhos no Brasil. E, conforme ele, isso tem um motivo. “Pelo fato de ser uma votação aberta ao público leitor, tem um caráter bem democrático e dá espaço para todos os seguimentos de quadrinhos, em especial os independentes. Ter chegado a sua 34ª edição, mostra que ele tem o reconhecimento de todos que produzem, divulgam e consumem quadrinhos brasileiros”, finaliza o alvoradense.

Documentário

O coletivo Quadrante Sul Comics, responsável pela edição do Zine, irá contar a história de três décadas do “Tchê” em 2018. Através de uma campanha de financiamento no Catarse, foram adquiridos recursos para a realização do documentário “Fanzine Tchê – 30 anos de resistência”, que vai contar uma boa parte da história das publicações independentes do Rio Grande do Sul e do Brasil. O documentário está em fase de produção e será lançado ainda em 2018.

Mutação em Porto Alegre

O Mutação, espaço para as histórias em quadrinhos da Feira do Livro de Porto Alegre, é organizado pelo Quadrante Sul. O evento já recebeu mais de 100 convidados nacionais e internacionais em seus mais de 10 anos de realização. O coletivo também é responsável pelo Gibifest, evento colaborativo de cultura pop de Alvorada, que em duas edições já reuniu mais de 1000 pessoas na cidade.

COMENTÁRIOS ( )