Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017 |

Estudante de Alvorada vence concurso estadual e terá texto publicado em livro

Júlia de Souza fará parte de coletânea que será lançada na Feira do Livro que ocorre no mês de novembro em Porto Alegre

Por Redação em 01 de Setembro de 2017

"Jovem é estudante da Escola Estadual Marechal Manoel Luiz Osório, no Bairro Americana" (Foto: Matheus Pfluck)


Uma aluna da Escola Estadual de Ensino Fundamental Marechal Manoel Luiz Osorio no bairro Americana foi selecionada para integrar o livro “Crianças e Jovens do Rio Grande Escrevendo Histórias”. A obra vai reunir trabalhos de meninos e meninas de diversas regiões do Estado e será lançado na Feira do Livro de Porto Alegre.

Tudo começou quando a professora de series iniciais e atualmente responsável pela biblioteca da escola, Elisete Zuboski Bordin, inscreveu a escola neste projeto para participar da seleção. E assim, Elisete recebeu o regulamento e demais informações e repassou aos professores que despertaram nos alunos a vontade de escrever algo. O critério para a seleção era de que houvesse a supervisão do professor e que o material deveria estar contextualizado em sala de aula.

Com apenas 10 anos, a pequena Júlia Reis Teixeira de Souza, estudante do 5º ano da turma 52, chamou a atenção do seu professor de português, Junior Alberto dos Santos Evangelista, ao escrever um texto sobre a trajetória de vida de sua bisavó Maria Luiza de Lima Marques. Até então, Júlia não conhecia a história da bisa Liza, assim chamada pelos familiares.

Júlia escreveu sobre o trabalho que sua bisavó desempenhava lavando roupas e trabalhando em escola como merendeira para manter sua família. “Ela lutava para viver! Ela não era rica e sim pobre e tinha que sustentar minha avó e tia”, explica a menina.

Como a menina não conheceu sua bisavó, ela teve o auxilio da mãe, Scheila Marques Reis e também de sua avó, Valniria Marques Reis. “A vó contou a parte onde a Bisa morou antes de vir para Alvorada e como chegou até aqui e eu contava o que eu sabia, porque a Bisa não se cansava de contar a vida dela”, explica a mãe da garota.

Após ter escrito seu texto, Julia entregou o material ao professor Junior que, por sua vez, juntou os trabalhos dos alunos e classificou o melhor, no qual o texto de Julia se destacou dos demais. “A maneira de ela contar a história, escrever o correto ali e falando da trajetória da bisavó mesmo”, fala.

Sobre a importância do trabalho de sua aluna, Júnior disse que se dá porque resgata a história da bisavó que a menina não conheceu, mas que, com o auxilio de seus familiares, conseguiu escrever seu texto.

Esta foi a primeira vez que algum aluno de Junior foi premiado em alguma seleção. Para ele o sentimento é de dever cumprido. “Lá no fundo tu saber que não temos o reconhecimento de alguns lados mas saber que aqui dentro a gente conseguiu algo assim é gratificante, então o meu dever está cumprido, neste ano”, avalia.

Projeto

Neste ano, o projeto chega a sua 25ª edição, reunindo em livro trabalhos de gêneros literário - como poesia, conto e crônica - e artístico de estudantes da Rede Estadual de todas as regiões do Rio Grande do Sul.

Os jovens escritores contemplados ainda participarão do ato de lançamento, promovido na Seduc, e de uma sessão de autógrafos durante a 63ª Feira do Livro de Porto Alegre.

De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, o Programa Crianças do Rio Grande Escrevendo Histórias visa estimular a auto expressão do aluno, valorizando sua produção gráfica e textual, consolidadas pelo hábito da leitura desenvolvido na Escola. Os trabalhos são preservados na íntegra, conservando a originalidade, a autenticidade e a criatividade dos autores. Os textos e produções artísticas são selecionados pelas Escolas, Coordenadorias Regionais de Educação e Secretaria da Educação, através da Comissão Julgadora de cada segmento, que avalia os melhores trabalhos para publicação no livro.

Confira abaixo o texto escrito por Júlia:

A trajetória vitoriosa da minha Bisa

Minha bisa Luiza, conhecida como bisa Liza, nasceu no ano de 1928 em Lajeado,RS. Viveu lá até os 15 anos, mudou-se para Porto Alegre logo em seguida, para morar com a sua irmã mais velha.

Em Porto Alegre conheceu e casou-se com meu bisavô Olmar. Tiveram duas filhas, Vera e Valniria. Após algum tempo e algumas dificuldades, mudaram-se para Alvorada. Minha bisa Liza, teve que trabalhar como empregada doméstica, lavava e passava roupas para uma empresa e fazia alguns bicos.

Por volta dos anos 70, bisa Liza recebeu uma proposta para morar e trabalhar de zeladora em uma escola pública de Porto Alegre. O serviço era dividido assim: minha bisavó cuidava da manutenção da escola e meu bisavô trabalhava numa metalúrgica. Tempos depois, a bisa teve que se afastar do trabalho, devido a problemas na coluna, isto fez com que retornasse a antiga casa em Alvorada.

Voltando a Alvorada, bisa Liza ganhou duas netas em um curto espaço de tempo, minha tia Andréa e minha mãe Scheila. Como minha vó Valníria tinha que trabalhar junto com meu avô, bisa Liza cuidava dos netos. Minha bisavó sempre foi muito protetora e cuidava das crianças com muito amor e carinho. E ela fez isso até o fim dos seus dias, cuidando de sua bisneta (eu), quando teve complicações de saúde. Com a piora nas dores na coluna e o agravamento de sua diabetes, foi hospitalizada e infelizmente veio a falecer, deixando-nos triste ... mas ao mesmo tempo felizes por termos tido oportunidade de ter convivido com ela.

Júlio Reis Teixeira de Souza

COMENTÁRIOS ( )