Domingo, 24 de Setembro de 2017 |

Em jogo de “vida ou morte”, Ser Alvorada viaja à Santa Cruz para enfrentar a ASSAF

Ainda sem vencer na Série Prata, alvoradenses ocupam a lanterna da competição

Por Redação em 16 de Junho de 2017

"Equipe tem apenas três pontos em sete jogos na competiçao" (Foto: Divulgação)


“É jogo de vida ou morte. Nada mais nos resta a não ser ir lá e fazer os três pontos”. Estas frases do técnico Fabiano Ventura dão o tom do que significa para a Ser Alvorada o jogo deste sábado, 17/06, no Ginásio Poliesportivo, em Santa Cruz do Sul, diante da ASSAF. Só os três pontos interessam para se livrar da lanterna do Gauchão da Série Prata, local que ocupa há algumas rodadas.

Passadas sete rodadas, a equipe tem apenas três pontos na competição e está em último na tabela que contém 12 clubes. Porém, o cenário é, mais uma vez, favorável para uma vitória. Os donos da casa ocupam a 10º colocação com apenas sete pontos em sete jogos. São duas vitórias, um empate e quatro derrotas na competição, o time de pior campanha entre os adversários que a Ser Alvorada já enfrentou nesta Série Prata. Uma vitória pode significar a saída da lanterna, ficando a apenas um ponto da própria ASSAF. Já uma derrota agravará ainda mais a situação do time.

Para o duelo desde sábado, a Ser terá os desfalques de Juninho, expulso no último jogo, e Giorgi Lucas, que fraturou o pé no jogo diante da Assoeva, em Venâncio Aires, pelo Gauchão Sub-20 e para por pelo menos 30 dias.


Rodada passada

Na última rodada da Série Prata, a vitória escapou por pouco contra a ADCH, de Salto do Jacuí. Jogando no Ginásio da Escola São Marcos e após sair vencendo por 3 a 0 com gols de Garrati, Juninho e Iarley, a Ser Alvorada sofreu dois gols, mas foi para o intervalo na frente do marcador. Na etapa final, Iarley anotou mais um e bastava segurar a vantagem de 4 a 2 para comemorar o primeiro triunfo na competição. Porém Juninho foi expulso e, apesar da Ser ter aguentado os dois minutos com um jogador a menos, acabou cedendo o empate num lance infeliz de Dotti que marcou um gol contra.

O jogo contra ADCH marcou a estreia do pivô Ragner, que estava sem clube. Já Duda Bello, recente contratação da Ser Alvorada, acertou sua ida para a ASIF, de Ibirubá, e vai disputar a Série Ouro. O jogador disputou apenas dois jogos pela Ser.

Falta de experiência

O técnico Fabiano Ventura credita o início ruim no estadual a curta pré-temporada do time. “Estamos na 8ª rodada e temos apenas dois meses de trabalho. O grupo agora está entrando na sua parte física e técnica plena. Não tivemos pré-temporada. Tivemos que arrumar o grupo durante a Série Prata e a Copa dos Campeões. No mês passado ainda estava fazendo testes com alguns jogadores. Estamos tentando dar cara ao time”, justifica. Outro fator apontado pelo treinador para os insucessos é a falta de experiência dos jogadores jovens do elenco. “A principal mudança que nós temos que ter é o rápido amadurecimento. Esses meninos são muitos da sub 20 e outra parte nem fardavam no ano passado. Eles não eram os protagonistas. Isso talvez a gente esteja sofrendo um pouco na quadra. Mas eu confio que de tanto a gente estar apanhando uma hora isso vai reverter e eles vão pegar confiança porque qualidade todos eles tem”, avalia Ventura.

Sobre as críticas que vem recebendo na fanpage do clube no Facebook após os maus resultados, o treinador responde: “Acho que o torcedor tem razão em criticar, em ficar insatisfeito porque a gente dentro da quadra tem momentos em que tem um brilhantismo e tem momentos em que, pela idade dos meninos e pela falta de experiência, tomamos gols que não poderíamos tomar em nenhum momento”, reconhece.

COMENTÁRIOS ( )