Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020 |

O goleiro alvoradense Gottfried Golz que fez história no futebol grego

Atleta é cria do Grêmio, mas nas últimas temporadas esteve jogando na Europa

Por Redação em 18 de Setembro de 2020

"As duas últimas temporadas do goleiro foram no futebol europeu num clube da Grécia" (Foto: Divulgação)


Devido a pandemia, muitos sentiram falta do futebol, que está retornando a sua normalidade. Isso fez com que muitos atletas retornassem as suas casas. É o caso do alvoradense Gottfried Golz, que jogava na Grécia há duas temporadas e está de volta ao município. Nessa entrevista ele conta um pouco sobre sua carreira e as dificuldades vividas até os dias de hoje.

Jornal A Semana – Como começou a tua carreira?
Gottfried Golz – Comecei em uma escolinha na minha cidade natal com 11 anos, aos 13 anos fui descoberto por um olheiro do Grêmio em um campeonato, e aí começou minha caminhada no futebol, joguei de 2004- 2009 no Grêmio, aonde fiz toda minha formação, depois fui para o Vasco aonde joguei mais 3 anos.

Jornal A Semana – De onde veio a vontade de ser goleiro? Era ruim na linha?
Gottfried Golz – Sempre gostei de ser goleiro, na copa do mundo de 1998 vi o Taffarel pegar aqueles pênaltis na semifinal contra a Holanda e ali despertou o desejo de ser goleiro...desde jovem sempre gostei de jogar como goleiro, e por incrível que pareça nunca gostei de marcar gols

Jornal A Semana – Como foi o início nas categorias de base de grandes clubes como Grêmio e Vasco?
Gottfried Golz – No Grêmio eu joguei por cinco anos, foi o clube que me formou e me abriu as portas para o futebol, em 2009 fui para o Vasco da Gama, já tinha uma boa base cheguei no juniores do Vasco, e um grande clube de uma torcida apaixonada além de ter uma linda história no futebol, tanto no Grêmio como no Vasco aprendi muito e trabalhei com grandes profissionais.

Jornal A Semana – Tu rodaste por times do interior como 15 de Novembro, Novo Hamburgo e Ypiranga. Qual a importância do Gauchão para esses times?
Gottfried Golz – O Gauchão tem uma importância muito grande para os clubes do interior, tanto financeiramente como para projeção a nível nacional, pois muitos clubes por mais que não conseguem ganhar o título ganham vagas as competições nacionais como série d e copa do Brasil, além é claro de o Gauchão ser um dos estaduais mais fortes do Brasil.

Jornal A Semana – Como ficou tua rotina em meio a pandemia? Como está fazendo para se manter em forma?
Gottfried Golz – Esse ano enfrentamos algo novo, que atingiu o esporte em geral, nunca nenhuma modalidade ficou tanto tempo sem competir, e isso trouxe uma série de problemas a clubes e atletas, as competições a maioria foram suspensas, mas muitas também canceladas o que prejudicou muita gente. No meu caso continuo treinando diariamente para manter a forma, junto de um preparador de goleiro e personal, e aguardando para que o mais breve possível as coisas voltem ao normal.

Jornal A Semana – Essa será uma temporada atípica. Quais os teus projetos para ela?
Gottfried Golz – As últimas 2 temporadas eu estava jogando na Grécia, porém com a pandemia muitos clubes lá foram afetados, e alguns campeonatos ainda não começaram, se Deus quiser e permitir pretendo voltar, porém estou em contrato com alguns clubes do Brasil também, e não descarto da sequência na carreira por aqui.

COMENTÁRIOS ( )