Sexta-Feira, 04 de Dezembro de 2020 |

A Semana faz grande cobertura das eleições municipais de 2020 e entrevista todos os candidatos a prefeito

Série de reportagens abordou temas como educação, segurança pública, economia e saúde pública

Por Redação em 13 de Novembro de 2020

"São seis os postulantes ao cargo de chefe do Executivo pelos próximos quatro anos: Douglas Martello (DEM), Junior Caminhoneiro (PSOL), José Arno Appolo do Amaral (MDB), Juliano Marinho (PSD), Stela Farias (PT) e Valmor Freitas (Cidadania)" (Foto: Guilherme Wunder)


O Jornal A Semana vem acompanhando há um ano todo o cenário eleitoral que culmina no pleito deste final de semana. Isso vindo das pré-candidaturas anunciadas ainda no ano passado, passando pela janela eleitoral, anúncio de apoios e convenções partidárias. Foram meses de cobertura para acompanhar o cenário eleitoral de Alvorada – inclusive com publicações de pesquisas eleitorais.

Já a partir de outubro deste ano, o Jornal A Semana deu início a série de entrevistas com os candidatos a prefeito. Foram entrevistados os seis postulantes ao cargo de chefe do Executivo. Foram eles: Douglas Martello (DEM), Junior Caminhoneiro (PSOL), José Arno Appolo do Amaral (MDB), Juliano Marinho (PSD), Stela Farias (PT) e Valmor Freitas (Cidadania).

Perspectiva de mudança

Na primeira entrevista, Douglas Martello (DEM) recebeu a reportagem do Jornal A Semana no diretório de seu partido. Na oportunidade, o político apresentou seus projetos e ideias para alavancar a economia de Alvorada no pós-pandemia. Para isso, ele pretende priorizar a reorganização da máquina pública e cortar gastos – como a redução de cargos comissionados.

Com isso, Alvorada contaria com R$ 48 milhões do caixa da Prefeitura para investir ao longo dos quatro anos de mandato. Entre as propostas apresentadas para se fizer com este recurso está à modernização da iluminação pública da cidade – que passaria para LED – e a pavimentação de 30 quilômetros de rua com asfalto armado, que tem maior durabilidade.

Já no desenvolvimento econômico da cidade, Martello acredita ser importante desburocratizar a chegada de novas empresas para que o Distrito Industrial cresça. “Nós temos o plano de reduzir impostos e facilitar a vida do empreendedor. Queremos cuidar de quem está aqui e nos tornar atrativos para quem quer investir. A nossa ideia é que os alvoradenses possam viver e trabalhar na sua cidade”, justifica Martelo.

A convocação do povo

Dando sequencia as entrevistas, a reportagem conversou com Junior Caminhoneiro (PSOL), que nos recebeu em sua casa para apresentar seus projetos para a cidade. A maioria de suas propostas está relacionada ou são focadas na participação popular. Para ele, é de suma importância que exista uma aproximação do poder público da população alvoradense.

Entre as ações para tornar isso possível está à redução de cargos comissionados, a redução de secretarias e o prefeito realizarem visitas frequentes aos bairros. A ideia é que seja possível aproximar a comunidade das decisões da Prefeitura e tirar o prefeito de dentro do prédio do Executivo e leva-lo para o bairro. Junior explica que, com isso, o chefe do Executivo será mais valorizado e cobrado de forma mais contundente.

O conceito de aproximar os alvoradenses das tomadas de decisões também ganhará outro mecanismo, que deve ser criado no início do governo – caso seja eleito pela população. “A comunidade vai tomar decisões através de comitês populares locais, onde a população vai decidir como serão as ações do governo. Isso funcionará de forma diferente do Orçamento Participativo”, pondera Junior.

A manutenção de um trabalho

O terceiro entrevistado foi o atual prefeito, José Arno Appolo do Amaral (MDB), que recebeu a reportagem no diretório do MDB. Tanto o tom da entrevista quanto de sua campanha é de que o trabalho feito até o momento precisa ter sequência. Para isso, ele apresentou as ações promovidas e conquistadas nos quatro anos de mandato e falou sobre propostas para o futuro.

A ideia da atual administração é de investir mais em saúde e pavimentação. Segundo o prefeito, Alvorada sempre investiu acima do exigido em lei na área da saúde para que pudesse melhorar o serviço que não era bom. Na área da pavimentação, a ideia é ampliar o programa de pavimentação comunitária para sanar os problemas de infraestrutura viária da cidade.

Contudo, para isso, ainda segue o foco de manter o salário do funcionalismo em dia. Appolo pretende investir mais nos servidores. “Nós temos que pagar o funcionalismo em dia. Eles recebendo seu salário acabam gastando no município e isso gera mais empregos no nosso comércio e melhora a condição da sua família. Isso é uma prioridade”, justifica o político.

O “prefeito da vila”

O presidente da Câmara, que concorre pela primeira vez ao cargo de prefeito, Juliano Marinho (PSD) recebeu a reportagem no seu comitê. Lá ele afirmou que será o primeiro prefeito da vila eleito pela população. Além disso, o político, que ficou conhecido nas redes sociais pela divulgação de informações referentes ao coronavírus, conta com a maioria dos seus projetos relacionados à área da saúde.

O político aproveitou a entrevista para apresentar uma de suas propostas que tem relação com a pandemia e está relacionada à área da saúde. “A falta de preparo da rede pública de saúde já era acompanhada pelo meu mandato como vereador, mas o desafio será enorme e a saúde pública precisa ser tratada como prioridade. Isso em todas as esferas da saúde pública.”, salienta Marinho.

A ideia de Marinho é que a Prefeitura seja protagonista na solução dos problemas relacionados ao Hospital ao invés de depender exclusivamente do Governo do Estado. O político não descarta municipalizar o serviço caso não tenha uma alternativa melhor. Ele relata ser inadmissível que uma cidade do porte de Alvorada não tenha uma UTI e uma UPA 24 Horas funcionando a pleno.

A preocupação com a fome

A nossa penúltima entrevista foi com a candidata Stela Farias (PT), que recebeu a reportagem em sua casa. Lá ela falou sobre a preocupação que tem com o pós-pandemia que Alvorada enfrentará nos próximos meses. Por isso, ela apresentou vários projetos relacionados à retomada econômica da cidade, afirmando que se preocupa com a fome da população – algo que ela já relatou em lives.

Por isso o desenvolvimento econômico pós-pandemia é considerado prioridade. “Nós queremos construir ainda no primeiro ano o microcrédito para o comerciante. Além disso, queremos implantar uma política municipal onde a compra de insumos e contratação de serviços para a Prefeitura seja feito com prestadores de dentro da cidade”, pondera Stela.

A ideia da candidata é que a Prefeitura auxilie na dinamização da economia local com o microcrédito, a compra dentro do município, a economia solidária e até uma espécie de moeda local. Ela relata que, com essas medidas, é possível incentivar que os alvoradenses gastem dentro do município para que assim a economia local ganhe forças numa retomada pós-pandemia do coronavírus.

A proposta da renovação nos poderes

O último entrevistado foi Valmor Freitas (Cidadania), que recebeu a reportagem em seu comitê central. Ele, ao lado de sua chapa, é o único candidato que nunca concorreu a nenhum pleito. Além disso, na construção do partido, não existem nomes que já tenham sido eleitos no passado. Isso porque o projeto desenvolvido por eles acredita na necessidade da renovação e da mudança.

Até por isso ele afirma que terá governabilidade e que chamará prioritariamente os novos vereadores para ajudar. “Eu acredito bastante na renovação do Legislativo e não tenho duvidas de que será a maior da história. Nossa ideia é conversar com todos os novos vereadores e vamos convida-los para construir o futuro da cidade conosco. Contudo, nós vamos manter a premissa dos cargos técnicos”, afirma Freitas.

Entre seus principais projetos está a mudança no IPTU. Sua ideia é de que uma porcentagem do valor arrecadado nos bairros fique ali para que o povo ajude na escolha do investimento. Segundo ele, com essa mudança, os alvoradenses sentirão que o seu dinheiro está sendo investido e isso pode afetar no aumento da arrecadação do município. Isso porque o retorno para a comunidade será visível pelos moradores.

COMENTÁRIOS ( )