Quinta-Feira, 21 de Janeiro de 2021 |

CORSAN se prepara para o verão e projeções são de que Alvorada não sofrerá com estiagem no verão

Atualmente o nível do Rio Gravataí está em 1,56m e já existem alternativas caso ele baixe

Por Redação em 04 de Dezembro de 2020

"O maior investimento da CORSAN foi à ativação de uma estação de bombeamento para Alvorada no Arroio das Garças" (Foto: Matheus Pfluck)


O final do ano passado e início de 2020 colocaram Alvorada e a Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN) em alerta. Isso porque os poucos índices de chuva prejudicaram a captação de água do Rio Gravataí. Não houve racionamento de água, mas diversas vezes a estatal orientou a população sobre o uso consciente para evitar que isso acontecesse.

Houve momentos em que o nível do rio estava próximo de estágios considerados críticos para a Companhia. Por causa disso, além das orientações sobre o uso consciente da água, a estatal começou a trabalhar em alternativas para um possível racionamento – o que acabou não acontecendo. O maior investimento foi na ativação de uma estação de bombeamento para Alvorada no Arroio das Garças, em Canoas.

O gerente da CORSAN de Alvorada, Claudiomiro Ferreira, explica os motivos deste local ser escolhido para captação. “A profundidade do Arroio das Garças faz com que a gente capte água com mais facilidade do que aqui. Isso porque o Gravataí tem partes mais baixas. A captação de Canoas, Cachoeirinha e parte de Gravataí é feita nesse Arroio e, caso seja necessário, vamos bombear para cá”, salienta o gestor.

A Estação Água Bruta 1C é uma estação de bombeamento localizada na lagoa de preservação de água bruta, Cachoeirinha, proveniente do Arroio das Garças, Canoas (Delta do Jacuí) com capacidade de 43.000m³ de água bruta. A função dessa estação é a de realizar a transposição em 23 km em caso de estiagem extrema para que a ETA Alvorada continue operando com a água bruta fornecida por outro manancial.

Contudo, a expectativa da CORSAN é que não seja necessário utilizar essa nova estação. “Melhorou bastante com a chuva de ontem. Ele subiu quase 20 centímetros em um dia. Por mais que aconteçam problemas com menos chuva, nós estamos mais bem preparados e com um plano pronto. Ano passado nós tivemos que correr atrás, mas agora a estrutura está pronta e em condições de operar”, enfatiza Ferreira.

Com isso, segundo Guilherme Stumm, coordenador operacional da CORSAN, a estatal está preparada. “Pode até haver uma estiagem, mas a CORSAN trabalha com um sistema de segurança caso o nível do Rio Gravataí baixe mais que o esperado. Nós teremos um pré-recalque aqui mesmo e uma redundância no Arroio das Garças para mandar água para Alvorada. Esse é o nosso plano de contingência”, justifica Stumm.

Coloração e odor da água

Em caso de mudança na coloração da água, os usuários devem entrar em contato com a CORSAN e a empresa enviará funcionários ao local para realização de expurgos na rede (limpeza). Em épocas de alto consumo como o verão pode ocorrer falta de água.

No retorno do abastecimento a água pode carregar incrustações existentes nos canos e assim alterar a coloração da água. Porém, por mais que não há riscos na qualidade, a CORSAN está investindo para amenizar o problema. “A gente está refazendo a sala de carvão, onde estamos aumentando o espaço. O carvão é o que usamos para remover o cheiro e o gosto que algumas pessoas sentem na água. Por isso nós estamos melhorando o sistema para ofertar uma água com melhor paladar”, explica a química Luana da Luz.

A expectativa é de que a reforma seja concluída nos próximos dias. “A previsão é de que a obra seja concluída até 15 de dezembro. Nossa expectativa é de que não seja necessário usar ela até lá. A sensação é muito individual e varia de cada pessoa. Contudo, ao concluirmos aqui, é possível afirmar que menos pessoas sentirão o gosto e odor diferente na água”, finaliza a servidora.

COMENTÁRIOS ( )