Sábado, 29 de Abril de 2017 |

Corsan vai apresentar plano de parceria público-privada para a cidade

Estatal deseja universalizar as redes de saneamento da Região Metropolitana

Por Redação em 03 de Fevereiro de 2017

"Iniciada em julho de 2009, as obras da Estação de Tratamento de Esgoto/ETE, localizada no bairro Nova Americana, foram concluídas em setembro de 2016" (Foto: Arquivo A Semana)


Seguindo o plano de universalizar a rede de saneamento da Região Metropolitana de Porto Alegre, a Corsan, na figura do seu diretor-presidente Flávio Ferreira Presser deve se reunir nos próximos dias com o Prefeito de Alvorada, José Arno Appolo do Amaral para tratar de parcerias público-privadas na realização do projeto.
A construção da estação de tratamento do bairro Americana (a maior do Rio Grande do Sul) está em fase final. Segundo o gerente da Corsan, Carlos leite, a estação começará a funcionar tão logo a Feplam e a Prefeitura concedam a liberação. “As redes já estão sendo feitas. Já temos em torno de 60 km de redes. Assim que a estação for liberada, o usuário se conectará a rede”, explica. Entretanto, Leite afirma que essa conexão do usuário à rede acarretará custo ao cidadão. Uma regularização da Agergs definirá o valor.
A universalização da rede com Viamão e cidades vizinhas está estimada em R$ 15 bilhões. Além de contar com recursos adquiridos via PAC, como o Focem e o Prodes, e buscar oportunidade junto ao BID e BNDES, a companhia almeja completar os recursos através de parcerias com empresas privadas. A meta em esgotamento sanitário é alcançar o índice de 30% em 2019 e universalizar a Região Metropolitana até 2028.
Descontos na conta
Moradores de Alvorada terão desconto de 10% na conta da água do mês de fevereiro, com data de vencimento em março. A medida ocorre por conta da publicação de documento da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul (Agergs) que determina à Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) que conceda o desconto a clientes de Alvorada e dos municípios de Cachoeirinha, Gravataí e Viamão que foram atingidos pela falta d’água entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017.
Além do desconto, a Agergs estabeleceu que a Corsan aprimore os procedimentos de comunicação com a comunidade, ampliando a divulgação dos serviços.
A Corsan pediu a reconsideração da Agergs quanto a determinação. Em nota, a Estatal alegou que os motivos para a falta de abastecimento foram diversos: problemas nas redes (rompimentos de tubulações e adutoras) falta de energia elétrica e alteração das condições da água a ser tratada face à elevada presença de lama, causando turbidez excessiva. Além disso, pediu multas as concessionárias de energia que igualmente a ela, Corsan, interromperam o serviço. A Agergs ainda não respondeu o pedido. Em Alvorada, os usuários teriam 10,1% de descontos nas contas de março. O percentual seria relativo a 3,03 dias sem água.

Capacidade de atendimento
Serão contempladas, em um primeiro momento, 16.700 economias na bacia do Arroio Feijó, correspondente ao bairro Nova Americana, Loteamento Jardim Algarve e Vila Santa Isabel, em Viamão.
Nesta primeira etapa, a ETE terá capacidade de tratar 207 L/s de esgoto, podendo atender cerca de 43.000 economias (130.000 pessoas) dos municípios de Alvorada e Viamão. Aproximadamente 150 km de rede coletora estarão em operação na etapa inicial, juntamente com três Estações de Bombeamento de Esgoto, sendo uma no Loteamento Algarve, uma no bairro Nova Americana e uma no pátio da ETE Alvorada. À medida que mais redes e ligações forem executadas (obras já em andamento e outras em licitação), a Corsan acredita que mais economias serão incluídas na operação do Sistema de Esgotamento Sanitário.
Após abertura, quando forem concluídas as obras da Estação de Bombeamento de Esgoto e do emissário, que estão sendo finalizadas, a ETE do Jardim Algarve será desativada e todo esgoto do bairro será direcionado e tratado na ETE Alvorada.
A Corsan estima que a Estação alcance a vazão total de sua capacidade atual, para a primeira etapa, no ano de 2021, quando a partir daí o terceiro reator (a ser construído, na ampliação da ETE) deverá entrar em operação, aumentando a capacidade para 310 L/s. O projeto total da ETE, para as três etapas de implantação, prevê tratar 930 L/s de esgoto.

COMENTÁRIOS ( )