Sábado, 18 de Novembro de 2017 |

Por falta de alojamentos, famílias tem de se abrigar em casa de 10 metros quadrados

Prefeitura informou que Ginásio não foi aberto porque famílias que necessitaram de remoção foram para casa de amigos e familiares de áreas não atingidas

Por Redação em 16 de Junho de 2017

"Local atualmente está acomodando três famílias com 10 crianças" (Foto: Matheus Pfluck)


Nas últimas semanas muitas famílias tiveram que abandonar seus lares e buscar abrigo na casa de parentes ou conhecidos. Mesmo que a água continue baixando, em alguns locais, como no bairro Nova Americana, muitos moradores ainda não voltaram para suas casas porque o volume não chegou num nível suficiente para retornarem ao seu lar.

Uma das famílias que utiliza a casa de parentes é a de Jocelaine Dalmas, que há três anos reside no final da Rua Estocolmo. Mãe de cinco filhos, atualmente utiliza duas peças de uma casa com aproximadamente 10m², que sua mãe, Marli Rosa, empresta aos seus filhos quando necessário. “Estamos aqui desde o começo da enchente, onde perdemos tudo que tínhamos”, explica.

O local que atualmente está acomodando três famílias que juntas somam 10 crianças é de madeira, possui somente duas peças, onde estão acomodados três colchões numa parte e outros dois na outra.

Na primeira peça, todas as crianças com idades de 6 a 12 anos dormem juntas numa cama em que os três colchões estão empilhados um em cima do outro. Os demais tem que dormir no chão coberto provisoriamente com palets, para amenizar o frio e a umidade. Já no outro local, adultos ocupam a peça.

Como o local não é utilizado regularmente, a porta de entrada foi feita às pressas com um pedaço de madeira, que não tapa toda a entrada. Além disso, os ocupantes guardam ali o que conseguiram resgatar da enchente: duas televisões, um micro-ondas, um rádio, um armário, utensílios domésticos, o fogão, a pia da antiga cozinha, geladeiras e algumas roupas que secam no varal que percorre a casa. No lado de fora existe um banheiro para que todos possam fazer sua higiene pessoal.

Auxílio

Para amenizar o sofrimento das famílias todos os dias Maria Elaine da Silva, conhecida por Elaine do Sopão, prepara refeições para estas e outras pessoas. Segundo ela, na sexta-feira, 09/06 foram feitos 600 pães, 6 kg de arroz, meia caixa de frango, oito pacotes de massa e 4 kg de feijão. “Há anos faço este trabalho aos sábados e nas enchentes nas quartas-feiras e sábados e nas enchentes aumenta o número porque as necessidades são maiores e não tem como trabalhar porque são recicladores”. De acordo com Elaine, todos os mantimentos são provenientes de doações feitos por diversas pessoas.

Alojamentos

Normalmente quando ocorrem alagamentos, os habitantes retirados de suas residências são encaminhados para casas de familiares ou então para o Ginásio Municipal e Galpão da Nova Americana como aconteceu em 2015. Na época, outros locais também foram utilizados para alojar pessoas.

Entretanto, até o momento nenhum local foi aberto à comunidade pela Prefeitura como o Ginásio Municipal, que há pouco tempo foi reformado e reinaugurado. Em nota, o Executivo informou que famílias que necessitaram de remoção, foram para casa de amigos e familiares de áreas não atingidas. Por esse motivo, o Ginásio Municipal Tancredo Neves e o Galpão da Nova Americana não foram utilizados. Cabe ressaltar ainda que existe um plano de contingência e de emergência, coordenado pela defesa civil do Município onde é feito uma triagem dos casos mais graves e se for o caso as famílias serão removidas para abrigos determinado pela administração municipal.

COMENTÁRIOS ( )