Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017 |

Ruas do Porto Verde e Jardim Algarve começam a ser sinalizadas com placas indicativas

Há vários anos, placas já haviam sido instaladas nas esquinas dos bairros, porém foram perdidas pelo tempo

Por Redação em 20 de Abril de 2017

"Em breve todas as ruas dos bairros estarão sinalizadas com placas indicativas" (Foto: Matheus Pfluck)


Andar pela cidade e saber o nome da rua que está circulando é muito complicado pela falta de identificação com placas indicando o nome dos locais. Tanto é verdade que é corriqueiro algum pedestre ou motorista sair perguntando a outros qual o nome da via.

Quem confirma isso é o morador Valdecir Fochesato, que tem sua residência na esquina entre a Rua das Anhumas com a Avenida Elmira Pereira Silveira, no bairro Porto Verde e cedeu o espaço externo da sua casa para fixar a placa. “O pessoal pede muito na rua, onde que é essa rua, é uma barbaridade”, explica. Este local foi escolhido para ser o primeiro a receber uma placa de sinalização com o nome da rua, após breve pesquisa entre moradores do bairro.

A instalação ocorre numa parceria do jornal A Semana, a empresa JP Fibras e o Grupo Vigilantes Comunitários, e, num primeiro momento, busca identificar as ruas dos bairros Jardim Algarve e Porto Verde.

Esta parceria do jornal A Semana e a JP Fibras iniciou no ano de 2014, quando algumas vias do Jardim Porto Alegre, também receberam placas de identificação. Para Rudi Scher, proprietário da empresa e morador de Alvorada, há 35 anos, instalar estas placas nas esquinas das ruas, é uma forma de ajudar a comunidade. “...é uma necessidade, não é só para nossa população é para quem trabalha com vendas, com correio, é para todos os segmentos, isso é um trabalho de utilidade pública”, avalia ele.

A sinalização das placas obedecem a legislação vigente, constando o nome completo da rua. O diretor do jornal A Semana, Hardo Pfluck, lembra a sintonia necessária entre a sua empresa e a comunidade alvoradense, desde a fundação do periódico, em 1989. “Este passo dado junto aos habitantes do Porto Verde e Algarve vem a demonstrar a proximidade entre a comunidade e este meio de comunicação”, relata. Ele afirma ainda que pretende levar este projeto para outros bairros do município.

Desenvolvendo vários trabalhos diferenciados nos bairros que estão recebendo as identificações, o Grupo Vigilantes Comunitários, tem como um dos integrantes, Alexsandro Steffani. Em nome do Grupo, ele avalia esta parceria da melhor forma possível, por ser uma troca benéfica. “Na grande maioria das vezes, o que está valendo hoje em dia é a parceria comunitária-privada, porque os recursos que vem através de órgãos públicos acabam, muitas vezes, não chegando onde deveriam chegar. Então a gente pensa que a melhor maneira de conseguirmos algo para nosso bairro e nossas famílias é a parceria com entidades e empresas que reconhecem na comunidade a potencialidade para juntos seguir em frente e vencer crises”, explica. Em breve todas as esquinas das ruas dos bairros acima citados devem estar sinalizadas.

COMENTÁRIOS ( )