Domingo, 27 de Novembro de 2022 |

Escola Elisardo Duarte Neto promove projeto de horta para coibir descarte irregular de resíduos

Projeto envolve de forma direta cerca de 100 alunos da instituição de ensino

Por Redação em 11 de Novembro de 2022

"Os alunos participam de todo o processo que envolve a horta - desde a plantação até a colheita" (Foto: Everton Carvalho)


O problema do descarte irregular de resíduos é uma constante no município. Não são raros os relatos de terrenos baldios ou espaços públicos em que se concentram entulhos e lixos. Regiões próximas as escolas públicas também sofrem com isso e uma das instituições de ensino que tinha esse problema era a Escola Elisardo Duarte Neto, no Bairro Torotama.

Para coibir esse tipo de atitude, a escola desenvolveu uma horta no local em que o descarte ocorria e envolveu a comunidade escolar na causa. Quem explica a ideia é Juliana Polano, que coordena o projeto. “Nós criamos esse projeto para tentar coibir o lixo no local. Como é criado um vínculo, os próprios alunos se conscientizam e cobram para que não seja mais colocado lixo no lugar”, conta a professora de alfabetização.

Ela dá aula para o primeiro ano e afirma que a ação desenvolvida funcionou e hoje o descarte irregular no local é mínimo. Para colocar a horta em funcionamento, a Escola firmou parcerias com a Sala Verde – departamento da Secretaria de Educação – e a EMATER. A ideia é que, através destes instrumentos, os alunos adquiram conhecimento e as sementes e mudas para o projeto.

A escola conta hoje com cerca de 600 alunos e 100 deles participam de forma direta do projeto. Além disso, existem iniciativas pontuais que acabam envolvendo outras turmas – aumentando o alcance da horta. Todos os frutos, saladas, legumes e hortaliças colhidos vão para a cozinha da escola e ofertados nas refeições dos alunos durante o dia e a noite.

Um dia na horta

Na quinta-feira, 03/11, a reportagem do Jornal A Semana acompanhou uma das ações desenvolvidas na horta. Era dia de colheita para sexta-feira e a turma 10 – primeiro ano – era a responsável pela colheita do dia. Juliana explicou que os alunos iriam colher o que eles mesmo germinaram. Isso indo das hortaliças até cenoura, beterraba, tomate e, o mais preferido de todos: a pitanga.

Para Maria Caroline Coelho, participar da horta é muito legal. Ela conta que rega as plantas para vê-las crescendo, mas que, por mais que ache bonitinho, não gosta de comer salada na escola. Contudo, tem quem goste. É o caso de Isabela de Moura. “Eu gosto de colher os alfaces e gosto de comer as saladas. Eu gosto muito de alface porque eu fui criada desde criança comendo alface”, afirma a criança de sete anos.

Outro que também gosta de alface e de regar as plantas é Otavio Lopes. A ação de manter o canteiro limpo e em condições também é de todos e o ato de “tirar os matinhos” é uma prática comum para todos os alunos. “A gente molha, tira os matinhos e enterra as plantinhas. Eu gosto de vir aqui e de comer as pitangas que a gente tem árvore aqui”, encerra Cassiane Moraes.

COMENTÁRIOS ( )