Sbado, 08 de Agosto de 2020 |

Fortes chuvas nos últimos dias fazem com que moradores revivam momentos de enchente

Muitos dos alvoradenses que estão saindo de suas casas falaram que essa não foi a primeira vez que passaram pelo problema

Por Redação em 10 de Julho de 2020

"Fortes chuvas nos últimos dias fazem com que moradores revivam momentos de enchente" (Foto: Guilherme Wunder)


Alvorada é costeada pelo Rio Gravataí e conta com diversos arroios que atravessam o município. Em épocas de chuva como a que estamos prestes a adentrar, moradores próximos a esses locais estão preocupados com as enchentes e enxurradas. O medo de que a água entre dentro de suas casas e que eles percam tudo vira algo corriqueiro e o motivo é um só: se acontecer, não será a primeira vez.

Há cerca de 15 dias que a região é atingida por fortes chuvas e o impacto disso já é visível. Em diversas ruas do Bairro Americana já existe água nas ruas e dentro das casas. A reportagem do Jornal A Semana esteve nas ruas Salgado Filho, Gaspar Martins, Marquês do Pombal, Americana e Beira-Rio para compreender a realidade que está sendo enfrentada pelos alvoradenses.

A preocupação dos moradores

Todas as ruas visitadas já estão sofrendo com a água em algum ponto. Na Rua Salgado Filho, é na última quadra, como conta Severo da Silva, que mora no final da rua. “A água está dentro de casa. Não perdemos nada, mas estamos levantando os móveis. Vamos ter que sair de casa. Isso acontece quase todo ano e faz mais de 15 que moro aqui. Infelizmente a gente já se acostumou com isso”, relata o jovem de 15 anos.

Segundo dados divulgados pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), os índices de chuva no município ultrapassaram os 100 milímetros. Em portais que divulgam a previsão do tempo, a expectativa é de que, no final de semana, cerca de 20 milímetros de chuva atinjam a cidade – aumentando o impacto que já existe.

Contudo, para Sergio Luiz, que mora há 32 anos na Rua Salgado Filho, além das previsões de chuvas, muitos se esquecem que a água seguirá subindo. “Ainda não estou com água dentro de casa, mas acredito que vai acabar entrando. Isso sem falar que as previsões são de chuva nos próximos dias. O medo é que o pior das chuvas é entre agosto e setembro, mas estamos em julho e sofrendo com as chuvas”, afirma.

Esse medo de que o Arroio Feijó e o Rio Gravataí sigam subindo também é dividido com Jaime Fontoura, 52 anos, que mora na Avenida Beira-Rio. “A água está subindo cada vez mais. Provavelmente eu terei de sair de casa. Na terça-feira a água começou a subir e a gente espera que o valão não transborde. Sabemos que a água sobe por mais uns dias e as chuvas voltam no final de semana. Estamos com medo”, desabafa.

Perspectivas e ações

Em entrevista, Vilmar Laureano, que responde pela Defesa Civil do município, afirmou que dez famílias já foram retiradas de suas casas com o apoio do serviço. ““Nós já tiramos dez famílias, que foram para casas de parentes. Também estamos doando paletes para que as famílias possam levantar seus móveis. O vento parou e a gente acredita que a água vai parar de subir”, conclui.

COMENTÁRIOS ( )