Quarta-Feira, 25 de Novembro de 2020 |

Pelo menos onze candidatos a vereador não vão mais concorrer no pleito deste ano

Número pode aumentar e chegar em 16 nomes inaptos a participar das eleições 2020

Por Redação em 30 de Outubro de 2020

"Após os julgamentos das candidaturas, diminuiu o número de aptos a serem escolhidos nas urnas" (Foto: Arquivo A Semana)


No início de outubro, o Jornal A Semana divulgou que Alvorada deveria contar com 335 nomes na disputa pelas 17 cadeiras da Câmara de Vereadores. Contudo, na época esses nomes aguardavam o julgamento de suas candidaturas e nem todas foram aprovadas. Entre renúncias, falecimentos e indeferimentos; onze candidaturas foram descartadas e não devem concorrer.

O candidato Miro Soares (PDT) faleceu; doutora Maristela (PSD), Jéssica (PSDB) e José Feijó (PSDB) foram indeferidos; Adair Batista (SOLIDARIEDADE), Adenir Nicoletti Fukes (PSB), Alê da Bica (PTB), Josi Arruda (PT), Marenice Leite (MDB), Michelle Paleski (PSL) e Silvonei Freitas (PSL) renunciaram suas candidaturas. Além desses onze nomes, existem outras candidaturas aguardando julgamento.

É o caso de Neto Girelli (PTB), que teve seu nome deferido, mas entraram com recurso contrário à sua candidatura; e os de doutor Elias (PT), Evandro Cigarrinho (PSD) e Paulão Vigilante (PDT) que tiveram seus nomes indeferidos e entraram com recurso para reverter a decisão. A única candidatura que ainda está com o julgamento pendente é a de Rachel (PT), que entrou para substituir Josi Arruda.

Segundo o chefe de Cartório da 074ª Zona Eleitoral, Leandro Abreu, os partidos políticos podiam indicar trocas de nomes até segunda-feira, 26/10 – que é o caso de Rachel no lugar de Josi Arruda e de outros três nomes. A exceção é nos casos de falecimento, quando a substituição poderá ser efetivada após esse prazo, devendo o pedido de registro ser requerido até dez dias contados do fato.

Propagandas irregulares

A reportagem conversou com o juiz eleitoral da zona 124, Felipe Giora, para saber como estão as propagandas políticas na cidade. Segundo ele, atualmente existem 18 processos tramitando com denúncias de propaganda eleitoral irregular, contra diferentes candidatos e coligações. A reportagem tentou acesso aos documentos, mas não obteve sucesso até o fechamento da edição.

Conforme explica o juiz, existem diversos processos e todos são estudados e analisados para que a legislação se cumpra. “Os processos tratam de diferentes assuntos, tais como, uso de carro de som fora das hipóteses legais, banners com efeito de outdoor, propaganda em residências e em bens públicos fora dos parâmetros permitidos etc’, salienta Giora.

Ele conta que, além dos processos já instaurados, eles recebem diariamente denúncias por meio do Sistema Pardal, um aplicativo de celular disponibilizado pelo Tribunal Superior Eleitoral, pelo qual qualquer cidadão facilmente pode apresentar evidências de irregularidades de campanha. Já foram recebidas mais de 60 denúncias por esse meio. Constatada alguma irregularidade, o candidato ou coligação são notificados.

COMENTÁRIOS ( )