Quarta-Feira, 23 de Agosto de 2017 |

Operação Cotton desarticula quadrilha

Ação foi realizada pela Polícia Civil

Por Redação em 11 de Agosto de 2017

"reze pessoas foram presas durante a investigação" (Foto: Policia Civil)


A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Roubos (DR/Deic), desarticulou, uma organização criminosa responsável por inúmeras ocorrências de extorsão mediante sequestro e cárcere privado, tendo como vítimas pessoas de diversos estados do Brasil. Treze pessoas foram presas durante a investigação que iniciou em março de 2016 e culminou com a Operação Cotton no final de julho de 2017.

De acordo com os delegados Joel Wagner e João Paulo de Abreu, o grupo praticava os crimes atraindo as vítimas através da internet, mediante falsos anúncios de produtos com preços incompatíveis com o do mercado. Em seguida, a negociação previa a vinda do comprador dos produtos até o estado, onde, ao ser recepcionado pelo representante da venda, durante o trajeto, tinha sua liberdade restringida mediante ameaças com arma de fogo.

Após o sequestro, as vítimas eram levadas para o cativeiro, e de lá eram obrigadas a fazer contato com parentes, amigos e sócios, para que o dinheiro destinado a compra dos produtos, que não existiam, fossem depositados em contas bancárias fornecidas pelos criminosos. Durante as investigações, cinco cativeiros foram descobertos na Região Metropolitana e em Porto Alegre, sendo um deles no interior do bairro Jardim Algarve. Entre maio e junho deste ano, a Polícia Civil libertou três vítimas dos cativeiros, prendeu em flagrante os suspeitos e evitou o sequestro de outras duas pessoas.

Segundo os delegados, ao longo das investigações, foi possível identificar 17 pessoas envolvidas no esquema criminoso e o papel de cada membro da organização, que é apontada como responsável por pelo menos nove extorsões mediante sequestro e cárcere privado. Treze pessoas estão presas e quatro seguem foragidas, após o cumprimento de 19 ordens judiciais em Porto Alegre, Gravataí, Alvorada, Igrejinha e Cidreira, também na Penitenciária Modulada de Charqueadas e, na cidade de Curitiba, no Paraná.

COMENTÁRIOS ( )