Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020 |

Câmara de Vereadores vota contrário a projetos do Executivo que tratavam do funcionalismo público

Foram duas propostas apresentadas pela Prefeitura que foram derrubadas pelo poder Legislativo

Por Redação em 09 de Outubro de 2020

"Mesmo sendo do partido do prefeito, Júlio Bala usou a tribuna para criticar o projeto do Executivo" (Foto: Guilherme Wunder)


Durante sessão ordinária da Câmara de Vereadores, ocorrida na noite de terça-feira, 06/10, os projetos de Lei Nº 034 e Nº036, que foram apresentados pelo Executivo e tratavam de mudanças para o funcionalismo público, foram derrotados pelo Legislativo. Um deles tratava do aumento da alíquota de contribuição previdenciária – de 11% para 14% – e o outro passava o pagamento de benefícios para a Prefeitura.

Nesse segundo projeto, era retirado do FUNSEMA o pagamento de benefícios temporários, como licença-saúde, auxílio-reclusão, licença-maternidade e salário-família. Com isso, o FUNSEMA pagaria apenas pensões e aposentadorias, enquanto a Prefeitura arcaria com os outros gastos. Contudo, assim como o projeto da alíquota, esse também foi derrubado.

Votação

No projeto que fazia alterações no regime do FUNSEMA, foram oito votos pela derrubada e sete de aprovação do projeto. Votaram contrários a mudança os vereadores: Júlio Bala (MDB), Gerson Luís (PTB), André Jobim (PTB), Irmã Sara (Republicanos), Celmir Martello (DEM), Arlindo Slayfer (PSD), Leandro Tur (PT) e Reginaldo Rocha (PSB).

Enquanto isso, os vereadores Airton Pacheco (MDB), Branquinho Borges (Progressistas), Claudia Kaeller (Progressistas), Preto (MDB), Darci Barth (PL), Neusa do Salgado (MDB) e Zezo (PDT); votaram favoráveis ao governo. O vereador Cristiano Schumacher (PTB) era o único ausente no início da votação e chegou para votar apenas no segundo projeto da ordem do dia.

A segunda proposta tratava do aumento da alíquota previdenciária e as votações se repetiram, com o acréscimo de Cristiano Schumacher, que votou para aprovar o projeto. Com o empate, o presidente Juliano Marinho (PSD) decretou a negativa ao projeto. Com as duas propostas do Executivo não tendo passado, alguns parlamentares começaram a debater sobre o que foi feito.

O vereador Branquinho Borges começou a acusar Júlio Bala de estar fazendo “politicagem” em ter levantado o debate para que os projetos não fossem aprovados. Já Gerson Luís provocou o vereador Cristiano Schumacher por não votar junto com o presidente e disse: “O Schumacher tem de votar contrário, pois o PTB nunca vota contra os trabalhadores”, exclamou o presidente da sigla.

Contudo, o único parlamentar a utilizar a tribuna foi Júlio Bala (MDB), que criticou o projeto do Executivo. “Eu não participei dessa reunião e o SIMA se reuniu somente entre eles. Eu sou contra o projeto, pois é necessário promover uma assembleia com todos os servidores para que eles definam como será a mudança. Não voto favorável a esse projeto enquanto não houver o debate”, salienta o emedebista.

COMENTÁRIOS ( )