Quarta-Feira, 23 de Agosto de 2017 |

Sessões da Câmara entram em recesso até o primeiro dia de agosto

Atividades dos vereadores seguem acontecendo normalmente

Por Redação em 21 de Julho de 2017

"Mesmo sem sessão, Câmara de Vereadores segue funcionando e recebendo demandas" (Foto: Matheus Pfluck)


A Câmara de Vereadores de Alvorada entrou em recesso de julho. Após sessão onde foi aprovada a alteração na lei que regulamenta o uso das calçadas, no dia 11 de julho, o Legislativo Municipal para por duas semanas, para o recesso de inverno. Após esse período, as sessões devem ser retomadas na terça-feira, dia 1º de agosto.

Porém, em um levantamento realizado pelo jornal A Semana com as câmaras de vereadores de Porto Alegre e Região Metropolitana, foi possível perceber que a prática de parar no meio do ano não é tão corriqueira. Conversando com representantes do Legislativo de vinte municípios, foi averiguado que, além de Alvorada, apenas outras três cidades também param: Triunfo, Sapucaia do Sul e Porto Alegre.

Para o diretor-legislativo da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, Luís Afonso Peres, essa parada de quinze dias tem como objetivo acalmar um pouco os ânimos políticos e dar um tempo para que os vereadores se reorganizem perante as pautas que estão por vir. “Os recessos tem uma função fundamental, que é esfriar a tensão política existente. Por isso realizamos esses dois recessos anuais. Porém, somente as sessões param, mas o resto das ações da casa segue funcionando normalmente”, ressalta Peres.

Já o diretor-geral da Câmara de Vereadores de Alvorada, Rodrigo Nunes Bolbotka, destaca que esse recesso é histórico no município e está disposto na Lei Orgânica que rege a cidade. “Não é algo de agora e, vale lembrar que, embora não estejam sendo realizadas as sessões, a Câmara segue funcionando normalmente, recebendo as demandas e a população. A cidade não é prejudicada com esse recesso. A única diferença é que não está sendo realizada a sessão”, conta Bolbotka.

Além disso, o diretor-geral também fala sobre a importância deste período para a política do município. “Essa pausa também serve para fazer uma espécie de expediente interno, onde os vereadores reúnem-se para planejar o segundo semestre”, relata Bolbotka. Já o vereador Cristiano Schumacher (PT), que se declara contrário ao recesso, destaca que, por mais que não estejam ocorrendo às sessões, a Câmara não vai deixar de reunir-se, caso seja necessário. “O recesso não são férias para os vereadores. O que acontece é que as sessões param por duas semanas e, caso seja necessário realizar alguma votação, nós estaremos à disposição para que isso aconteça”, relata Schumacher.

Segundo levantamento, não existe o recesso de inverno no poder Legislativo de Canoas, Esteio, Gravataí, Estancia Velha, Novo Hamburgo, São Leopoldo, São Sebastião do Caí, Sapiranga, Glorinha, Nova Hartz, Viamão, Araricá, Nova Santa Rita, São Jerônimo, Santo Antônio da Patrulha e Rolante. Infelizmente não foi possível contatar as câmaras de vereadores de Ivoti, Eldorado do Sul, Cachoeirinha, Campo Bom, Guaíba, Dois Irmãos, Parobé, Portão, Montenegro, Taquara, Arroio dos Ratos, Capela de Santana e Igrejinha.

COMENTÁRIOS ( )