Sábado, 24 de Junho de 2017 |

A saúde da mulher é debatida em Conferência

Propostas para políticas de saúde foram discutidas

Por Redação em 19 de Maio de 2017

"Juliana Beppler, da Central de Interpretação de Libras realizou a tradução e interpretação da Conferência" (Foto: Magno Derlon)


Por dois dias seguidos, a Secretaria Municipal de Saúde por meio do Conselho Municipal de Saúde, promoveu a 1º Conferência Municipal de Saúde das Mulheres de Alvorada, na qual foi discutida na câmara de vereadores, os “Desafios para a integralidade com equidade”.

Na oportunidade foram elaboradas propostas e proposições de diretrizes para a formulação da política de saúde do Plano Plurianual/PPA dos planos municipais, estaduais e nacionais da área. Entre os objetivos da conferência estão a elaboração de propostas e proposição de diretrizes para a formulação da política de saúde do plano plurianual – PPA dos planos municipais, estaduais e nacionais da área.

Os primeiros debates aconteceram na quinta-feira, 11 de maio, quando representando o Conselho Municipal de Saúde (CMS), Janaina Marinho frisou a importância da conferência para a construção de políticas públicas na área da saúde para as mulheres. A presidente do CMS ainda explicou que as propostas e diretrizes discutidas durante o evento serão levadas para a conferência a nível Estadual e Federal.

Já na sexta-feira, 12 de maio, em sua fala, a palestrante e assistente social, Elisângela Silveira, lembrou da importância que a união entre as unidades de atendimento devem ter quando recebem vítimas de violência. Falou também da lei Maria da Penha. Declarou que a denúncia nos causa medo se referindo aos possíveis desdobramentos de denunciar um agressor e este se voltar contra o denunciante.

Na segunda palestra do dia, Aline Eggers, vice-presidente da comissão estadual da mulher e advogada, começou seu pronunciamento destacando que vivemos uma situação de banalização social da violência, para depois afirmar que a omissão em casos de violência contra a mulher é conivência com o crime. Cobrou a implementação de políticas públicas que amparem devidamente as vítimas e explicou como funciona o Ligue 180.

Em seguida, a enfermeira Clarissa Troyano conduziu sua palestra pautada nos métodos que podem otimizar os atendimentos médicos na rede pública de saúde. Lembrou da capacidade que o Sistema Integrado da Mulher (SIM) tem de proporcionar maior amparo e segurança às mulheres de Alvorada.
Para garantir a participação e integração, Juliana Beppler, da Central de Interpretação de Libras realizou a tradução e interpretação da conferência.

COMENTÁRIOS ( )