Sexta-Feira, 19 de Janeiro de 2018 |

Hospital de Alvorada se pronuncia sobre falecimento de Rita Bernardes

Alvoradense veio a óbito na manhã deste domingo, devido a uma parada cardiorrespiratória

Por Redação em 12 de Janeiro de 2018

"Segundo relatos lidos no perfil de Rita nas redes sociais, são muitas as pessoas que acusam o Hospital de Alvorada de negligência" (Foto: Arquivo A Semana)


Neste final de semana, diversos grupos de redes sociais formados por alvoradenses debatiam o falecimento de Rita de Cassia Bernardes Carvalho, que veio a óbito na manhã deste domingo, 07/01, devido a uma parada cardiorrespiratória. Segundo os relatos lidos no perfil de Rita no Facebook, são muitas as pessoas que acusam o Hospital de Alvorada de negligência.

Conforme o que foi levantado pela reportagem do Jornal A Semana nestas publicações nas redes sociais, Rita fez uma cesariana e cortaram o útero dela. Entretanto, em contato com os familiares da vítima, foi informado que não haverá nenhum pronunciamento antes do resultado do laudo do Departamento Médico-Legal (DML) para se pronunciar de forma oficial sobre o caso e declarar quais ações será tomado pela família.

Em contato com a assessoria de imprensa do Hospital de Alvorada, foi divulgado que a paciente Rita de Cássia, hipertensa crônica, foi encaminhada ao Hospital em razão da hipertensão, pois apresentou sinais de diabete gestacional. Por causa disso, foi internada em 28 de dezembro, sendo submetida a parto cesáreo no dia 01/01/2018.

Segundo o que foi divulgado pela instituição, o bebê nasceu normalmente e a mãe não apresentou alterações de pressão ou da glicose durante a internação, tendo recebido alta hospitalar. Devido a isso, Rita recebeu alta na quarta-feira, 03/01. Conforme levantamento feito pelo próprio hospital, não houve intercorrências e nem alterações de sinais vitais durante a sua internação.

Entretanto, no sábado, 06/01, Rita retornou para atendimento, reclamando de dor na ferida operatória e foi avaliada pela equipe obstetrícia. Para eles, a paciente apresentava sinais vitais estáveis, encontrando-se a ferida operatória limpa e sem sinais de infecção. Após realização da avaliação, a paciente foi liberada, com orientações para retorno, se necessário.

E essa necessidade chegou no sábado, 07/01, próximo às 06h da manhã, quando Rita foi trazida à emergência do Hospital de Alvorada, em parada cardiorrespiratória. Na nota explicaram que foram realizadas todas as manobras para tentativa de ressuscitação, infelizmente sem resposta. “O Hospital de Alvorada se solidariza com a família da paciente, lamentando profundamente a perda ocorrida.”, declarou a instituição.

Ainda conforme a assessoria de imprensa do Hospital, todos os atendimentos prestados à paciente ocorreram dentro dos parâmetros de normalidade. Agora a instituição aguarda o resultado de laudo pericial do DML, para onde o corpo foi encaminhado, para abertura de diligência médica, se for o caso.

COMENTÁRIOS ( )