Domingo, 30 de Abril de 2017 |

Secretaria de Saúde projeta para o segundo semestre abertura de três novas UBSs

Unidade do Algarve deve ser a primeira a atender a população

Por Redação em 03 de Março de 2017

"Faixa de protesto foi colocado por moradores na unidade do Jardim Algarve" (Foto: Rene Almeida)


A população dos bairros Jardim Algarve, Nova Alvorada e São Francisco terá que esperar mais alguns meses para poder usufruir das novas Unidades Básicas de Saúde/UBSs desses locais. Isso porque a Secretaria Municipal de Saúde/SMS estima para a segunda metade de 2017 a abertura das unidades, que já estão com obras concluídas há alguns meses.

Segundo a SMS, o processo de licitação para o cercamento da unidade do Algarve está sendo aberto. A equipe que trabalhará no local já está sendo organizada. A previsão é de que no segundo semestre desse ano a UBS comece a atender a população. Já as outras duas unidades ainda demorarão mais tempo para entrar em funcionamento.

Na unidade do bairro São Francisco o entrave deve-se a uma questão judicial entre prefeitura e construtora responsável. Já na UBS do bairro Nova Alvorada a demora na abertura é devido à formação da equipe que trabalhará no local. Um concurso será aberto para seleção de pessoal. Nessas duas unidades o prazo estipulado pela secretaria para inauguração é o fim de 2017.

Situação atual

Na unidade do bairro Jardim Algarve, na esquina das ruas Elmira Pereira Silveira e Antonio Carlos Jobim, por exemplo, a situação está longe da ideal. Com a UBS pronta, mas sem funcionar, o local se torna abrigo propício para o consumo de drogas devido ao mato alto que cresce ao redor. “Quando tem alguma avaria eles vem aí e consertam, mas nunca abre de vez”, conta um morador da região. Até uma faixa de protestos com os dizeres “Socorro! Aqui só tem Zika Virus” foi colocada pelos moradores na porta da unidade.

Histórico

Em julho de 2013, Alvorada entrou na lista para receber recursos para construção de mais três Unidades Básicas de Saúde/UBSs e reforma de outras nove, a partir do Programa de Aceleração do Crescimento II. O investimento total das obras seria de R$ 1,34 milhões. Prontas há meses, as UBSs nunca entraram em funcionamento, mesmo depois de concluídas suas obras. A justificativa da antiga gestão da Secretaria de Saúde era que a construtora responsável pela obra não queria cumprir dois itens do edital, que seriam a instalação de cubas de aço inoxidável e a cobertura de policarbonato.

Estrutura

As novas UBSs devem contar com setor de consultas, sala de inalação coletiva, consultório odontológico, sala de observação, coleta, sala de atividades coletivas, sala de vacinas, sala de curativos, consultório com sanitário anexo e estocagem/dispensação de medicamentos, sala de esterilização, expurgo, almoxarifado, sala de administração e gerência, abrigo de resíduos contaminados, abrigo de resíduos recicláveis e resíduos comuns.

COMENTÁRIOS ( )