Domingo, 30 de Abril de 2017 |

Carta do leitor

Bairro Sumaré pede socorro!!!

Por Redação em 08 de Agosto de 2014

(Foto: Divulgação)


O que fazer quando o descaso toma conta dos moradores que sofrem com assaltos, medo e outros problemas sociais causados pela falta de algumas lâmpadas em vias públicas? Pior que isso. Quando há mais de dois meses os moradores fazem sua parte pagando a conta e comunicando os setores responsáveis pelo serviço de manutenção sobre a urgência de uma simples troca de lâmpadas queimadas que substituiriam o breu que acoberta o medo pelo bem-estar mínimo de uma zona comercial e de trabalhadores que precisam caminhar muitas quadras entre a avenida central e sua casa todos os dias?
Num irritante paradoxo entre a escuridão que ocorre na rua Senador Salgado Filho com a travessa Parobé, pode-se observar as lâmpadas acesas dos postes da rua Porto Rico durante as 24 horas de cada santo dia. Por que o sistema não percebe ou se importa com tamanho gasto energético num momento onde o mundo clama por atitudes sustentáveis?
Um dos moradores da rua Salgado Filho relata: “Dois meses sem iluminação pública aqui! Sendo que no primeiro dia, eu liguei para o setor responsável e solicitei a troca da lâmpada. Agora já são três lâmpadas. Uma em frente a minha casa, a outra da esquerda e a outra da travessa em frente. Sem estas três lâmpadas, a escuridão pega preço, então é óbvio que já rolou assaltos. No momento eu continuo pagando pela iluminação pública na minha conta de luz e ainda pago mais, pois coloquei uma luz na frente de casa para tentar amenizar o breu. Ou seja, pago duas vezes por um serviço que não funciona.”
Na manhã dessa quinta-feira, 07/08, o setor de iluminação pública foi novamente contatado e a resposta para o problema foi: “Estamos sem efetivo para realizar a manutenção...”.
Num bairro que tem ruas comerciais, no centro da cidade, onde todos os dias passam dezenas de viagens de ônibus, onde temos a Prefeitura como vizinha é completamente incompreensível essa cegueira sobre problemas que poderiam ser solucionados com menos de um turno de trabalho.
De que adianta pregar aos cidadãos a importância do pagamento de seus tributos em dia se as mínimas condições de segurança não são respeitadas pelos órgãos responsáveis mesmo que os pedidos tenham ocorrido há meses?
Para finalizar penso que talvez uma resposta mais elaborada venha dos candidatos que estão nessa corrida pelos votos dos eleitores. Quem sabe se algum deles se sentir incomodado de andar com seus carros pelas ruas esburacadas, tiver seus olhos ofuscados pelo brilho das lâmpadas de uma rua e ousarem caminhar no início da noite pela escuridão de outra possam perceber que “não pega bem” pedir votos num ambiente que está ficando tão hostil.
Em tempo: Imaginem que a iluminação pública na rua Porto Rico ao lado do prédio da Prefeitura e da rampa que dá acesso ao legislativo municipal estava desligada a mais de 20 dias e nada havia sido feito? Os nobres edis e legisladores, junto a casa legislativa tiveram esta distinção, o que será de nós meros contribuintes?
E as lâmpadas que estão queimadas ou desligadas junto a escola estadual Alberto Pasqualini, ao lado do prédio da Prefeitura quando serão repostas? A noite é um breu só e vários assaltos e pegadinhas já aconteceram.

Maria da Conceição Sezimbra dos Santos - Moradora

COMENTÁRIOS ()